Copa do Mundo de Supermoto

A equipe do brasileira terminou na 12ª colocação entre as 16 equipes que disputaram a edição 2016 do Supermoto das Nações, a Copa do Mundo de Supermoto, em Alcarràs, Espanha, no domingo (23/10). A campeã foi a equipe da França, a vice República Tcheca e o terceiro lugar ficou para a Alemanha. Participaram da prova os pilotos Kleber Justino, Rafael Fonseca e Laszlo Piquet. Os brasileiros agora retornam para casa para se preparar para a final do Campeonato Paulista de Supermoto, que será realizada nos dias 5 e 6 de novembro em Limeira (SP).

A competição foi realizada em três baterias. Na primeira delas, Justino partiu da oitava posição e Fonseca da 16ª. Ainda no começo da prova, Rafael Fonseca assumiu a quarta posição, chegando a registrar tempos mais rápidos que do terceiro, Davi Gimenez (Espanha), e segundo colocados. Na segunda metade da prova Fonseca assumiu a terceira posição e passou a diminuir a diferença em relação ao vice-líder, Laurent Fath (França). Pouco tempo depois, abandonou quando a corrente de transmissão de sua moto quebrou. Justino, que vinha na 12ª posição, também foi forçado a abandonar com um pneu furado. Com o resultado o Brasil ficou temporariamente na lanterna entre as equipes.

Na segunda bateria Rafael Fonseca partiu da oitava posição e Laszlo Piquet da 16ª. Fonseca não desperdiçou a oportunidade e logo se colocou na terceira posição, a frente de grandes nomes do supermoto, como o tcheco Petr Vorlíček, campeão europeu de supermoto em 2012 e 2016, Sylvain Bidart (FRA), multicampeão francês de supermoto e outros. Apesar de não conseguir ultrapassar Fath, em segundo, o brasileiro não deixou que Vorlíček o ameaçasse, garantindo a terceira colocação, o melhor resultado de um piloto brasileiro no SMoN.

Em uma prova em que os sensores da cronometragem geraram muita polêmica envolvendo os pilotos que a finalizaram entre a sexta e a 32ª – e última – posição, o resultado oficial indica que Piquet foi o 21º colocado, terminando a frente de pilotos como Cristopher Hodgson (Reino Unido) e Michael Kartenberg (Alemanha).

Na terceira e última bateria Justino novamente arrancou da oitava posição, com Piquet largando na 16ª. A dupla enfrentou dificuldades no longo trecho de terra – 463 metros, 31,5% do circuito de 1,478 metros – e com isso acabou perdendo posições ainda no começo da prova. Algumas voltas depois os pilotos se recuperaram e conseguiram algumas ultrapassagens. Ao final de 15 voltas, Laszlo Piquet foi o 23º e Kleber Justino o 24º. Somando os resultados das três baterias, o Brasil ficou na 12ª posição.

Leia também:
+ YZF R6 2017 é lançada no EUA
+ Nova Tiger Sport no Brasil por R$ R$ 52.990
+ BMW Motorrad Vision Next 100: conceito BMW da moto do futuro
+ K 1600 B: nova bagger da BMW para o mercado norte-americano
+ KTM lança edição limitada da 300 EXC
+ Produção de motocicletas tem queda de 31% no acumulado do ano
+ Honda tem edição especial de 40 anos da linha CG
+ Vespa inicia vendas no Brasil
+ Ducati mostra esportiva SuperSport na Alemanha
+ Kawasaki lança Ninja 650 no Intermot

“Se tudo tivesse acontecido bem, poderíamos ter terminado na sétima posição, mas as coisas nem sempre acontecem como queremos e finalizamos assim. Estou feliz pela equipe e pelo resultado. Me dediquei muito para fazer a corrida da minha vida, e acredito que fiz. Agradeço primeiramente a Deus, meus amigos, Laszlo Piquet, Kleber Justino, Pedro Rehn e Petr Vorlíček que me ajudaram a realizar esse sonho. No Brasil, todos fizeram parte desse resultado; Simão Lawant, NS Comunicação e Eventos, Kleber Augusto, Adelmo Portuga, e todos que andam e amam supermoto também fizeram parte desse resultado. É indescritível fazer parte disso. Obrigado”, disse Rafael Fonseca.

Campeonato Catalão de Supermoto

O brasileiro Pedro Rehn, que acompanhou a delegação brasileira na viagem à Espanha, participou da etapa do Catalão de Supermoto realizada em conjunto com o SMoN. Correndo na categoria Open, Rehn obteve a segunda posição geral e primeira de sua categoria no classificatório de sábado. Hoje sofreu um tombo e caiu para a 15ª posição, mas fez prova de recuperação e conquistou a terceira posição em sua categoria. “O nível dos pilotos aqui é muito alto. Eu diria até que tão ou mais alto que dos principais pilotos de motocross do Brasil. Agora confirmei que sou rápido, mas também sei que ainda tenho muito a aprender. Estou muito feliz por levar um troféu para o Brasil.”, diz Rehn.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *