Cresce ABS em motos no Brasil

O número de motocicletas, motonetas e ciclomotores à venda no País com sistema de freios antitravamento ABS aumentou 5,18% entre 2014 e 2015. A observação é do Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi Brasil), que analisou 331 versões de veículos com duas rodas do mercado brasileiro. O crescimento do sistema de freios nos modelos acompanha o aumento da produção e circulação de motos no Brasil. Em 2014, segundo levantamento do Centro, as motocicletas que não possuíam o ABS nem mesmo como item opcional representavam 67,5% da frota oferecida, enquanto que em 2015 o índice caiu para 62,8%, segundo o estudo.

Outro aspecto importante é a presença de um sistema de frenagem mais eficiente para as motos, constituído pelo freio a disco nas rodas dianteira e traseira, que está presente em 60,73% das versões analisadas, contra os 12,39% das versões que utilizam o sistema de freio a tambor. Ou seja: seis em cada dez motos contam com freio a disco em ambas as rodas.

Circulação no País

De janeiro a junho de 2015, a frota brasileira de motocicletas, motonetas e ciclomotores cresceu 6,06% em relação ao mesmo período de 2014, de acordo com dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), o que faz com que 26,65% do total de veículos no país, atualmente, sejam motos.

Para Emerson Feliciano, superintendente técnico do Cesvi Brasil, o ABS tem considerável relevância para a segurança não só do motociclista, mas também para quem está ao redor, nas ruas e rodovias. “Além de trazer mais segurança e estabilidade para o condutor quando a frenagem de emergência é necessária, quem está ao redor é de igual forma beneficiado. Com mais controle da moto, fica mais fácil desviar de obstáculos e assegurar a distância correta para a frenagem”, afirma o executivo. “Sem dúvidas, a incorporação do ABS à produção das motos, em um momento em que veículos deste porte ocupam cada vez mais as ruas, resulta em maior segurança e confiabilidade ao trânsito de maneira geral”, diz.

Freio a tambor

O levantamento mostra que, em motocicletas de até 125 cilindradas, 97% das versões iniciais não contam com ABS de fábrica. Apenas 3% contam com o ABS mecânico nas rodas dianteiras e não há disponibilidade de motos nessa categoria com o ABS eletrônico, que tem sua eficiência já comprovada. Além disso, o levantamento mostrou que 62% dos modelos contam com freio a disco apenas nas rodas dianteiras.

Na categoria entre 125 e 250 cilindradas, apenas 1,5% das versões disponíveis possuem ABS eletrônico de série e 1,5% possuem o item como opcional. Das versões analisadas, 47% possuem freio a disco nas duas rodas; 49% somente nas rodas dianteiras e 4% e com freio a tambor em ambas as rodas.

Já entre 250 e 400 cilindradas o número de versões com ABS eletrônico de série corresponde a 16% dos modelos analisados; 74% não contam com o item de série e em 10% o ABS é opcional. Todos as motos desta categoria, no entanto, contam com freios a disco nas rodas dianteira e traseira.

Leia também:
+ Honda convoca recall para 667 unidades da GL 1800 Gold Wing
+ Morte no SuperBike Brasil em Goiânia
+ Pirelli lança pneu Diablo Rosso III
+ Indian abre primeira concessionária brasileira em São Paulo
+ Kawasaki apresenta versão 2016 da Ninja ZX-14R

Nas motocicletas entre 400 e 750 cilindradas, 33% dos modelos são vendidos com ABS eletrônico como item opcional; 43% não contam com o item de série e apenas 24% das motos saem das fábricas equipadas com o ABS. Nesta categoria, todos os modelos possuem freio à disco em ambas as rodas.

Por fim, são nas motocicletas acima de 750 cilindradas que estão os modelos com a maior taxa de ABS como item de fábrica (74%). Nesta categoria, 20% não contam com o item de série e apenas 6% possuem ABS como opcional. Em 98% dos modelos há freios a disco nas duas rodas e 2% possuem freio a disco apenas na roda dianteira.

Legislação

No final de 2014, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou, por meio de resolução, que motos com mais de 3200 cc deverão sair de fábrica ou serem importadas com ABS ou ferio combinado. A exigência é escalonada dos, de forma escalonada a partir de 2016. Primeiro, para 10% das motocicletas novas. Até 2019, chegarão a 100%. Para motos com menos de 300 cc a legislação sugere o ABS ou o freio combinado.

Clique AQUI para abrir o estudo completo do estudo sobre a presença de freio ABS em motos, em PDF.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *