Kawasaki tecnologias

São Paulo (SP) – Na série sobre suas tecnologias, a Kawasaki apresenta no terceiro capítulo seus sistemas aplicados nos painéis e iluminação dos modelos da marca japonesa. Policarbonato no lugar do vidro, LED ao invés de lâmpadas convencionais, sensores e impulsos elétricos no lugar de cabos de aço, Bluetooth para conexões sem fio, não há nada como a inovação e evolução dos materiais que compõem uma motocicleta moderna.

Dentre uma grande variedade de tipos de lâmpadas, com diferentes cores e capacidade de iluminação, os faróis, indicadores de direção e luzes traseiras de LED utilizados nas motos Kawasaki auxiliam na diminuição do peso, menor consumo de energia e maior durabilidade. Quando comparado a outros sistemas, o LED (diodo emissor de luz) permite a adoção de designs diferenciados, únicos. Isso se traduz em leveza e elegância visual, graças à possibilidade de esculpir formatos e conjuntos cada vez mais compactos.

Saindo de fábrica com o sistema de iluminação todo de LED, os modelos Kawasaki: Ninja H2 SX SE, Versys 1000 Grand Tourer, Versys 1000, Z900 (2021), Ninja 1000 Tourer, Ninja 1000, Ninja 650, Z1000R Edition, Z1000, Z900 e Z900RS. Já a Ninja 400 traz todas as luzes em LED exceto as luzes indicadoras de seta e contando com a lanterna em LED os modelos: Z650, Z400, Versys 650 Tourer e Versys 650.

As luzes auxiliares de curva são um ingrediente a mais nos modelos Kawasaki Versys 1000 GT e Ninja H2 SX SE. Baseado na inclinação da motocicleta, o piloto passa a contar com um faixo de luz extra vindo das 3 lâmpadas auxiliares fixadas a carenagem, proporcionando ganho de visibilidade ao condutor ao ampliar a iluminação para as áreas onde o farol convencional não alcança. O sistema projeta a luminosidade para a parte interna no sentido da inclinação da moto, de acordo com dados da IMU. A Unidade de Medida Inercial (IMU) também é responsável pelos dados do ângulo de inclinação mostrados em tempo real nos painéis TFT.

Presente nos mais recentes lançamentos da marca, o painel TFT. Com visual extremamente moderno, recheado de informações e até mesmo conexão Bluetooth, os novos painéis estão mais precisos, coloridos e bem iluminados, tanto sob a forte luz do sol como na chuva ou à noite.

No painel de tela TFT (thin-film transistor), além dos indicadores de velocidade e conta-giros, existe ainda o indicador de marcha engatada, hodômetro total e parcial, nível de combustível, consumo médio e distância restante na reserva, relógio, temperatura do óleo do motor, luzes indicativas diversas e indicador de carga da bateria. Tudo isso pode ser selecionado para ficar a mostra na tela, ou selecionado em conjuntos (Sport ou Touring), facilitando a visualização do piloto em todas as condições e direções, afinal, pilotar uma moto é uma tarefa dinâmica.

Com opção de ajuste da cor de fundo (escuro com letras coloridas ou claro com letras pretas), para mudar a cor da tela é muito simples, basta segurar o botão direito por 2seg, com o mostrador da função nível de bateria na tela. E para ter acesso às configurações gerais do painel, incluindo a conexão com o Rideology The App, é preciso segurar os dois botões simultaneamente por aproximadamente 4seg, rolar pela lista e escolher a função.

Leia mais:
+ Tecnologias Kawasaki Parte 01
+ Tecnologias Kawasaki Parte 02
+ Tecnologias Kawasaki Parte 04

Leia também:
+ KTM abre venda direta de acessórios originais da linha Off Road SX e EXC
+ Abraciclo apresenta números do setor dos últimos anos
+ BMW traz para o Brasil a S 1000 RR com pacote M
+ Triumph resgata nome Trident para novo conceito
+ Conheça tecnologias Kawasaki para suspensão, ABS e curvas
+ Honda CBR 600RR reaparece na Europa

Visando a eficiência e melhoria na performance dos motores, os carburadores foram substituídos pela injeção eletrônica, além de ser grande aliada do meio ambiente. E com o desenvolvimento de sistemas de gerenciamento, mapas de injeção e outros, a precisão foi aperfeiçoada com a introdução do acelerador eletrônico, o Ride By Wire

A manopla e a forma de acelerar continuam as mesmas, segure firme e torça o pulso para liberar o combustível, mas a precisão nas respostas, o conforto e a economia geradas com essa mudança fazem a diferença. O impulso elétrico é enviado da manopla para a central eletrônica que ajusta o grau de abertura dos injetores ao nível de ar para a mistura ser mais eficiente e, portanto, menos poluente.

Com movimentos sutis o punho direito responde aos comandos de quem pilota, reduzindo o estresse e a força de puxar cabos mecânicos, além disso, o trabalho conjunto de diversos sistemas de auxílio de pilotagem, controle de derrapagem, tração e empinada (KTRC), freios ABS, Power Mode e outros controlados pela ECU, proporcionando ainda mais confiabilidade e velocidade de resposta dos sistemas de interferência, gerando segurança ao piloto e garupa.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *