KTM retoma mercado brasileiro

A montadora de motos austríaca KTM volta a vender seus produtos no Brasil ainda este ano. Ela deixou o mercado nacional em 2012. A retomada é uma parceria com a Dafra. Inicialmente serão oferecidos dois modelos da linha 2015, a 200 e a 390 Duke. Os preços ainda não foram definidos. A 200 é vendida no mercado europeu por 4.997 euros equipada com freios ABS, o equivalente a R$ 15,48 mil. Já a 390 sai na Europa por 5.496 euros (cerca de R$ 17 mil).

A 200 Duke tem motor monocilíndrico de 199,55 cc, de quatro tempos, com refrigeração líquida, com 26 cavalos de potência. O câmbio é de seis marchas, com embreagem acionado mecanicamente em banho de óleo. Ela tem a estrutura tubular de aço do tipo de treliça e freio a disco de 300 milímetros na dianteira com pinça de quatro pistões. Na traseira, o disco tem 230 mm e pinça com pistão único. A distância entre-eixos é de 1.367mm e a distância livre do solo de 170 mm e a altura do assento é de 800 mm. O peso seco é de 129,5 quilos, e o tanque de combustível tem capacidade para 11 litros.

Leia mais:
+ Polaris lança consórcio
+ Edição especial da NX 400i Falcon

Já KTM 390 Duke tem motor de 375 cc, que disponibiliza 44 cv. O chassi foi desenvolvido para trabalhar com mais potência. Um sistema de vácuo no cárter diminui o atrito ajudando a melhorar a entrega de potência e torque. A estrutura também é em treliça, e o motor também é monocilíndrico, de quatro tempos, com refrigeração líquida e transmissão de seis velocidades. A suspensão dianteira tem garfos invertidos, enquanto a traseira é monochoque. O sistema de freio é o mesmo da 200, assim como a distância entre-eixos, altura livre do solo, altura do assento e capacidade do tanque. Mas ele pesa um pouco mais, 139 quilos a seco.

“Começaremos a operação CKD com os produtos mais emblemáticos da KTM, os off-road, que serão produzidos em nossa fábrica em Manaus já a partir deste ano. Isso significa estabilidade e continuidade do fornecimento aos concessionários e consumidores. Mais produtos off-road e street virão pelo mesmo processo CKD meses depois, em 2015″, explica Sérgio Dias, diretor comercial da Dafra.

-Imagens e vídeo: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *