Novas CB 650F e CBR 650F 2018

A Honda apimentou a linha 650 na versão 2018 dos modelos naked F e esportivo R. Não resgata a nostalgia da Hornet com os 102 cv, mas as novas 650 ganharam 1,5 cv e tiveram relações de marchas encurtadas. Ficaram mais espertas e empolgantes, como constatou MotoMovimento em test ride realizado no Circuito dos Cristais, em Curvelo (MG). As motos, com novos grafismos, estarão disponíveis nas cores vermelho e azul perolizado com preços públicos sugeridos de R$ 33.900 para a CB 650F e R$ 35.500 para a CBR 650F.

O motor, arrefecido a líquido, na versão 2018, a potência máxima passou de 87 cv a 11.000 rpm para 88,5 cv no mesmo regime. O incremento de potência máxima foi obtido com uma nova caixa do filtro de ar com dutos mais largos que alimentam corpos de borboleta de 32mm. No sistema, o motor “respira“ melhor acrescentando potência com o aumento do ar na combustão. O torque permaneceu o mesmo de 6,22 kgf.m a 8.000 rpm.

O câmbio de seis velocidades, recebeu relações mais curtas na 2ª, 3ª e 4º marcha para oferecer acelerações e retomadas de velocidade com mais vigor. Na nova calibragem, a velocidade das marchas sobe mais rápido transmitindo sensação de esportividade, como foi constatado no test ride.

O conjunto de escapamento 4 em 1, também foi redesenhando com objetivo de reduzir a contrapressão interna e garantir um fluxo mais livre. O mapeamento eletrônico foi aperfeiçoado na versão 2018, segundo a fábrica japonesa, oferecendo mais economia de combustível e baixa emissão de poluentes, atendendo o Promot 4 – Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares no Brasil que, inclusive, “aposentou” a Hornet que não atendia mais os quesitos de controle de poluição.

Com o conjunto de modificações, a montadora informa que a velocidade final pode chegar a 232 km/h. Na pista do Cristais, chegou a 193 km/h com piloto de 1,90 m e cerca de 100 quilos.

Suspensões

Na suspensão dianteira, recebeu garfo Showa Dual Bending Valve (SDBV) com tubos de 41 mm de diâmetro. Na tecnologia SDBV, a segunda parte da suspensão é mais dura com passagem do óleo mais estreita que na primeira parte superior. Com isso, a suspensão fica mais dura quando o freio é mais exigido, como nas pilotagens mais esportivas. Na freada forte, a frente não afunda, mesmo com o sistema ABS.

Nos freios, os modelos estão equipados com sistema ABS de dois canais que atuam no duplo disco tipo wave na dianteira, com 320 mm de diâmetro, associados a pinças Nissin de duplo pistão. Na traseira, o disco simples também tipo tem 240 mm de diâmetro e pinça de pistão simples.

Leia também:
+ Produção de moto 2017/2016. Abraciclo vê estabilidade
+ T-Cruise, novo modelo elétrico italiano com autonomia de até 270 km
+ Salão Duas Rodas lança websérie sobre o evento de 2017
+ CB Twister 2018 com novas cores e grafismos
+ KTM oferece bônus de fábrica para a 390 DUKE ABS, em outubro
+ Teste: Honda NXR 160 Bros 2018 com CBS (Combined Brake System)
+ Teste: Feita para a cidade, Honda SH 150i encara rodovias
+ Ducati XDiavel Dark. No Brasil, por R$ 79.900
+ Kit customização Roadster com filtro de ar Screamin’ Eagle
+ Recall Honda para CRF450R
+ Teste: Harley-Davidson Ultra Limited é extrema em conforto nas viagens
+ Linha Honda CG 160 2018 recebe freio CBS e suspensão dianteira SFF (Separated Function Fork)

As rodas de seis raios duplos são de alumínio fundido sob pressão e calçadas com pneus esportivos medidas 120/70-ZR17 e 180/55-ZR17 com válvulas de ar em formato de “L” o que facilita a operação de controle da pressão.

Tanto a naked como a esportiva tem altura do assento limitada a 810 mm do solo. Outro item nas duas versões é o sistema H.I.S.S. (Honda Ignition Security System), que dificulta a possibilidade de furto ou roubo. Com essa tecnologia, somente a chave original pode acionar o motor por meio da leitura de um chip eletrônico.

A versão do tetracilindro de 649 cm3 que equipa os modelos tem bancada dos cilindros inclinada 30º à frente, câmbio verticalizado e motor de arranque compacto situado atrás da bancada. Isso, segundo a montadora, propiciou ao motor dimensões longitudinais contidas, favorecendo um posicionamento ideal no chassi.

O chassi de aço com arquitetura Diamond é montado com traves de forma elíptica de 64×30 mm que da coluna de direção descem praticamente retilíneas rumo ao fulcro da balança traseira. Esta por sua vez é assimétrica e o braço direito é encurvado para dar lugar a ponteira do escapamento. Realizada em alumínio fundido sob pressão, a balança traseira está ligada diretamente a um conjunto mola-amortecedor regulável na pré-carga da mola em sete posições.

-Informações e imagens: divulgação-

Um comentário em “Novas CB 650F e CBR 650F 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *