Teste: Concours 14

Pilotar a Kawasaki Concours 14, recém-lançada no Brasil, exige atenção especial para a mão direita. Com motor de 1.352cm³, quatro cilindros e torque de 14,1 kgfm a 6.200 rpm é fácil atingir velocidades bem maiores que as permitidas. Mas o prazer de andar na estradeira-esportiva não fica só no acelerador.

Com bons assentos, regulagem eletrônica de altura e inclinação do para-brisa, ajuste dos faróis e manoplas aquecidas é confortável e seguro percorrer longas distâncias. Vale os R$ 74.990 sugeridos pela marca.

Leia também:
+ Honda CG 500 ou CB 500?
+ Next 250: o sonho do motoboy
+ Vulcan Classic LT: ligue a contemplação

Com 304 quilos, 2.230 mm de comprimento e 790 mm de largura, a Concours 14, com duas grandes malas rígidas laterais, exige atenção no trânsito. São bons os sistemas ABS e e o K-ACT que distribuem a frenagem entre as rodas. O controle de tração é importante para os pisos irregulares e também na chuva. O eixo cardã imprime mais suavidade nas tocadas.

O sistema de segurança presencial Kipass permite deixar a chave na moto. Todo o sistema trava assim que o alarme se distancia do veículo.

Mesmo com 155 cavalos a 8.800 rpm ela é econômica. A média com aceleração suave chegou a 20 Km/l. “Torcendo o cabo”, cai para 5, 6 km/l. No tanque 22 litros. O computador de bordo informa modo de pilotagem econômica, temperatura do ambiente e pressão dos pneus. O modelo 2012 sai no Brasil por R$ 69.990,00.

-Imagens: divulgação-

Um comentário em “Teste: Concours 14

  1. A marca Kawasaki é a 4º colocada no japão, mas posso dizer que os fãs da marca japoneses não a trocam por outra japonesa, tive ninja em 1990 portanto sei o que estou falando. O Fittipaldi fez o certo pelo correto em pegar essa representação no Brasil, e essa Concours nada mais é do que uma versão de passeio da zx14 ninja só que com câmbio de escalonamento de marchas mais curto e limitação na alimentação de combustível,fora as carenagens. Ao estilo de viagem pacato, não se engane: As acelerações são fortes e dão passeio a muitas esportivas por aí.Visitei o templo dos guerreiros ninjas em Kanazawa, japão que ali morei próximo.Diz a lenda que cada guerreiro ninja deveria matar no mínimo 100 oponentes,e jamais se entregarem. Filosofia Kawasaki!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *