Produção de motos em queda

Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas (Abraciclo) registrou queda de 15,8% na produção de motos em maio deste ano ante o mesmo mês do ano passado. Foram montadas 77.730 unidades este ano e 92.308 em 2016. De acordo com relatório divulgado hoje (08/06) pela Associação, no acumulado de janeiro a maio foram produzidas 373.491 motocicletas, recuo de 2,5% na comparação com o mesmo período de 2016, quando foram fabricadas 382.970 unidades. Já na comparação entre maio e abril deste ano, houve alta de 20,7% em relação a abril (64.380 produzidas).

As vendas em maio, no atacado – para as redes de concessionárias –,registraram recuo de 22,2%: 67.859 em maio deste ano ante 87.252 unidades no mesmo mês de 2016. No acumulado foram vendidas 345.021 unidades, o que significa redução de 8%, em igual período de 2016 (374.821 unidades). Na comparação entre maio e abril de 2017, foram vendidas 67.859 motocicletas, alta de 10,6% sobre o mês anterior (61.342 unidades).

As exportações apresentaram redução de 37,2%, com 3.519 unidades em maio ante 5.606 unidades exportadas no mesmo mês do ano passado. Com relação a abril, quando foram enviadas 3.804 motocicletas a outros países, a queda foi de 7,5%. No acumulado de janeiro a maio foram exportadas 24.767 motocicletas, volume 5,5% maior que o registrado em igual período de 2016 (23.477 unidades).

Leia também:
+ Yamaha Star Venture. Novo modelo lançado nos EUA
+ Concurso cultural Harley-Davidson escolhe piloto para viagem
+ Festas, encontro e eventos para motociclistas de dezembro de 2017
+ KTM lança edição especial 390 DUKE ABS
+ Yamaha Factor 150 ED 2018 recebe freio unificado
+ Kawasaki lança a Z 650 ABS no Brasil

Os principais destinos das motocicletas exportadas em maio foram Argentina, com 2.270 unidades; Colômbia, com 1.162 unidades; Estados Unidos, com 416 unidades; Austrália, com 216 unidades, e México, com 136 unidades. Em comparação com abril (2.480 unidades), os volumes exportados em maio para a Argentina tiveram redução de 8,5%; para a Colômbia (180 unidades) cresceram 545,6%; para os Estados Unidos (208 unidades) aumentaram 100%; para a Austrália (212 unidades) ficaram praticamente estabilizados, e para o México (64 unidades) subiram 112,5%.

No acumulado de janeiro a maio os principais destinos foram a Argentina, com 17.710 unidades, ante 16.286 unidades em igual período de 2016; Colômbia, com 2.258 unidades, ante 2.062 unidades; Estados Unidos, com 1.196 unidades, ante 885 unidades; Austrália, com 848 unidades, ante 1.076 unidades, e Canadá, com 780 unidades, ante 368 unidades.

Emplacamentos

Com base nos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores – Renavam, houve alta de 3,8% nos emplacamentos de motocicletas, com 79.533 unidades em maio ante 76.644 unidades em igual mês de 2016*. Com relação a abril, que teve 64.961 unidades emplacadas, o crescimento atingiu 22,4%. A média de vendas por dia útil em maio foi de 3.615 motos, volume 0,2% maior na comparação com a média de abril (3.609 unidades). No acumulado de janeiro a maio as vendas no varejo totalizaram 355.464 unidades, correspondendo a uma queda de 10,3% ante o mesmo período de 2016* (396.238 unidades).

(*) Foram desconsiderados os ciclomotores usados, cujo licenciamento junto aos Detrans passou a ser obrigatório a partir da Lei nº 13.154, de 30/07/2015, e da Resolução Contran nº 555/15, de 17/09/2015.

“A média diária de vendas na faixa de 3.600 unidades está dentro das previsões anteriormente anunciadas e as fabricantes e suas concessionárias estão se empenhando para que este índice prossiga até outubro, cientes de que nos últimos meses do ano poderá ocorrer uma elevação nos negócios em função da chegada do verão, pagamento da parcela final do 13º salário e realização do Salão Duas Rodas, com lançamentos de produtos e muitos atrativos para os motociclistas”, avalia Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *