SuperBike Brasil 2016

A temporada SuperBike Brasil 2016 alterou o formato da pontuação para incentivar a disputa pelas primeiras colocações na pista. Na temporada passada os 20 primeiros colocados recebiam pontos ao completar a prova e a diferença entre as colocações era pequena. O vencedor recebia 25 pontos, o segundo colocado 22, o terceiro 20, o quarto 18, o quinto 16 e a partir de então, até o vigésimo lugar, seguia em contagem regressiva.

Para os pilotos que disputavam a ponta não seria uma ‘tragédia’ perder uma vice-liderança para terminar em terceiro. Seriam apenas dois pontos a menos e um risco desnecessário de um possível erro ou queda. Já para os pilotos do fim da tabela, bastava completar a prova que somariam alguma pontuação.

Agora, primeira colocação tem um peso bem maior. Apesar de manter os mesmos 25 pontos, as colocações seguintes tiveram suas pontuações reduzidas, dando assim ainda mais valor a uma vitória. No atual regulamento, o vice-líder recebe 20 pontos e terceiro lugar 16. Assim, a diferença que na temporada passada ficava em apenas cinco pontos entre o líder e o terceiro, agora sobe para nove. Ou seja, o campeonato dará prioridade para os vencedores, e será mais difícil para um piloto regular, mas que não chega a conquistar vitórias, alcançar o título.

Leia também:
+ Teste: Honda PCX 150 modelo 2016
+ Harley-Davidson lança Roadster 1200 nos EUA
+ Yamaha lança a Tracer 700 baseada na MT-07
+ BMW renova a F 800 GS
+ Yamaha promove seis modelos até o final de abril
+ BMW reajusta preços de cinco modelos no mercado brasileiro
+ Teste: Harley-Davidson softail Breakout
+ Teste: Biz 110i, com injeção eletrônica fica mais eficiente no trânsito da cidade

Outra mudança: apenas os 15 primeiros pontuarão, o que fará com que os pilotos intermediários briguem ainda mais para conquistarem melhores posições. Caso aplicássemos essas mudanças nos resultados de temporada passada teríamos novos campeões. Tomando por exemplo a Copa Kawasaki Ninja 300, uma das categorias mais disputadas do SuperBike Brasil, o atual campeão, Niko Ramos (#822), da Tecfil Racing Team, perderia o título e ficaria com a vice-liderança. O piloto, que somou 242 pontos, passaria a ter 213 e cederia o campeonato para Indiana Muñoz Gomes (#199), da equipe Mobil Ituran Racing, que fecharia 214 pontos. E a principal causa disto seria o número de vitórias. Indy somou quatro, além de três segundos lugares, contra apenas três vitórias e dois segundos lugares de Niko Ramos.

Outra mudança seria na categoria Copa Honda CBR 500R. Lucas Dezeró (#7), da equipe Alemão Pneus, foi campeão com 197 pontos, porém, com apenas duas vitórias. Aplicando o novo regulamento, Dezeró fecharia 175 pontos e cairia para a segunda colocação. Já Leonardo Tamburro (#53), da Honda MotoSchool de Talentos, seria o novo campeão. O piloto, que encerrou a temporada em segundo com 195 pontos, caso fosse aplicada a nova regra, seria beneficiado por suas cinco vitórias. Ele encerraria a competição com 185 pontos e ainda abriria uma leve vantagem para Dezeró.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *