Teste: Harley-Davidson Ultra Limited

Com motor Milwaukee-Eight 107 V2 de 1.753 cm³, de menor vibração que versões anteriores dos propulsores Harley-Davidson, Ultra Limited significa conforto em viagens. Foi o evidente no teste de MotoMovimento com o modelo touring da marca versão 2017 em uma rápida viagem de 900 km entre São Paulo e Curitiba. Mais uniforme, o motor aceita tranquilo retomadas, inclusive em sexta marcha, mesmo em velocidades mais baixas como no trânsito da Serra do Cafezal, em São Paulo, onde as interrupções de tráfego e congestionamentos são constantes no trecho em obras.

As novas suspensões também reforçaram o conforto na viagem com tocada suave de 120 km/h a pouco menos de três mil giros. Na frente a montadora norte-americana adotou garfos do tipo cartucho da marca Showa para amortecedores de 117 mm de curso. Na traseira, o sistema bichoque ganhou amortecedores com emulsão com ajuste na pré-carga da mola por borboleta. Fica mais preciso no ajuste. Na configuração de fábrica, a moto segue tranquila nos trechos bem pavimentados.

Ainda no conforto para piloto, na estrada, o para-brisa baixo desvia bem o vento. Na avaliação, o piloto, com 1,90m de altura, pode manter a viseira semiaberta mesmo em momentos mais frios. Conforto e segurança também para a garupa que pode seguir viagem trocando mensagens com os amigos pelo celular.

Na estrada, o calor do motor nas pernas do piloto é mínimo já que a montadora redesenhou o sistema de escapamento que irradia o calor para mais longe das botas. A posição do GPS no painel permite que ele seja bem visualizado sem interferência da luminosidade externa. Já a tela touchscreen pode ser utilizada com luvas para acessar o sistema multimídia. O consumo médio, na rodovia, ficou em 14,8 km/litro, para tanque com capacidade de 22,7 litros.

Leia também:
+ Indian homenageia Burt Munro no Bonneville Speed Week
+ Harley-Davidson Sportster completa, em 2017, 60 anos de produção contínua
+ Linha Honda CG 160 2018 recebe freio CBS e suspensão dianteira SFF (Separated Function Fork)
+ NMAX 160 2018 tem novas cores
+ Ducati Multistrada S tem nova opção de cor Volcano Grey
+ Nova BMW S 1000 RR mantém preço de R$ 78.400
+ Família Honda 500cc 2018. Novas cores, grafismos e escapamento na crossover
+ Kawasaki Versys 650 2018. Duas novas cores, por R$ 34.990
+ Salão Duas Rodas 2017
+ Teste MotoMovimento: Honda CB 650F
+ Kawasaki Vulcan S 2018 tem duas novas versões
+ Ducati traz para o Brasil nova versão da Monster 1200 S

Na cidade, é essencial calcular antecipadamente todos os movimentos da moto, principalmente em relação às manobras em estacionamento. Os 413 quilos de peso seco da moto tornam o modelo em constante risco de queda. A distância entre-eixos, longa para facilitar nas estradas, dificulta nas curvas fechadas.

No teste, ao subir uma calçada com inclinação em uma curva fechada para entrar na garagem, com o guidão totalmente virado para a esquerda e o controle de freio na embreagem, ela ameaçou tombar ao voltar de ré. Como a embreagem é muito alta (e não tem regulagem) o risco de acidente foi alto e só não aconteceu porque foi possível estabilizar a moto ao retornar o guidão para a posição horizontal, forma mais natural de segurar a moto parada.

Como o sistema de suspensão, de fábrica, é feito para a estrada e para o piloto que está no centro do veículo, na cidade, o garupa sofre com o solavanco dos buracos. Dependendo do esquema de cores escolhido, o modelo custa entre R$ 95.900 e R$ 99.000.

Clique – AQUI – para um PDF com as especificações técnicas do modelo

-Informações e imagens: MotoMovimento-

2 comentários em “Teste: Harley-Davidson Ultra Limited

  1. Concordo com um dos comentários anterior a este, uma moto como está, com tantos anos de experiência, já era para ter sido desenvolvido um sistema simples de ajuste de altura da embreagem, igual aos carros, vamos pensar aí engenharia Harley!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *