Teste: Honda CB 650F

A Honda CB 650F tem conjunto dianteiro “leve” o que deixa o modelo ágil no trânsito com desvios rápidos dos carros, fundamental para os corredores nas grandes cidades. Esta é uma das principais características observadas na moto durante o teste do modelo por Motomovimento, depois de rodar 250 km na cidade de São Paulo e 350 km em rodovias paulistas.

Substituta da Hornet para adequação do modelo da média cilindrada ao programa de controle de poluentes brasileiro (PROMOT), a 650 tem motor DOHC, de quatro cilindros, quatro tempos, refrigeração a líquido com 649 cc. O calor do motor esquenta as pernas depois de duas horas de uso contínuo na cidade.

Como todo modelo de quatro cilindros, às vezes é muita coisa para o trânsito urbano. Para a CB, na transição para o propulsor mais moderno, o torque já aparece em baixas e médias rotações. Isso a deixa mais divertida nas arrancadas mas a leva muito mais rápido ao limite de velocidade das vias. Com as mudanças para a modernização, a aceleração ficou mais elástica até chegar à potência máxima de 87 cv a 11.000 rpm e torque máximo de 6,4 kgf.m a 8.000 rpm.

Na estrada, o conjunto farol e acabamento do painel funciona bem como proteção aerodinâmica pelo menos na condução “modo” passeio, a 120 Km e suaves 6 mil giros. A velocidade final não passa de 220 km/h e o consumo varia de acordo com o uso, em seis marchas, com Injeção Eletrônica PGM-FI e combustível somente gasolina. A média de consumo ficou 17 a 22 km por litro.

Leia mais:
+ Teste: Yamaha XJ6 N oferece conforto para longas viagens

Leia também:
+ Kawasaki Vulcan S 2018 tem duas novas versões
+ Ducati traz para o Brasil nova versão da Monster 1200 S
+ Nova Indian Scout Bobber
+ Recall BMW para os modelos R 1200 GS e R 1200 GS Adventure
+ Mercado de motos segue em queda no Brasil
+ Harley-Davidson promove, no mês de julho, os modelos Softail Deluxe, Roadster e Fat Boy
+ Rally dos Sertões recebe inscrições até 28 de julho
+ Kawasaki ZX-10RR e Z1000 R Edition. No Brasil em julho
+ BMW F 700 GS versão 2017. Linha Premium por R$ 39.950
+ Teste MotoMovimento: Yamaha XJ6N 2018
+ BMW S 1000R versão 2017. Mais potente e com design renovado

As suspensões são calibradas com tendência para esportividade, com garfo telescópico 120 mm de curso na traseira na dianteira e suspensão Mono-Shock de 128 mm. Isso não ajuda nas ruas e avenidas esburacadas das cidades brasileiras faz o modelo seguir firme nas estradas.

Os freios são da Nissin, com ABS nos dois discos de 320 mm e duas pinças na roda dianteira e 240 mm e uma pinça na roda traseira. O painel digital mostra velocímetro, tacômetro e relógio, medidor de combustível e hodômetros parcial e total.

O design agressivo chama a atenção de muita gente. O ronco dos quatro cilindros também atrai olhares. O preço, no momento, com bônus de fábrica, cai de R$ 37.000 por R$ 33.900.

Ficha técnica

Motor: Tipo DOHC, quatro cilindros, 4 tempos, refrigeração líquida
Cilindrada: 649cc
Diâmetro x curso: 67,0 x 46,0 mm
Potência máxima: 87cv a 11.000 rpm
Torque máximo: 6,4 kgf.m a 8000 rpm
Sistema de alimentação: Injeção Eletrônica PGM FI
Relação de compressão: 11.4 : 1
Sistema de lubrificação: Forçada, por bomba trocoidal
Transmissão: 6 velocidades
Embreagem: Multidisco em banho de óleo
Sistema de partida: Elétrica
Combustível: Gasolina
Ignição: Eletrônica
Bateria: 12V – 8.6 Ah
Farol: 55/60W
Quadro Tipo Diamond Frame
Suspensão dianteira: Garfo telescópico – 120 mm
Suspensão traseira: Mono-Schock – 128 mm
Freio dianteiro: Disco (2) – 320 mm
Freio traseiro: Disco – 240 mm
Pneu dianteiro: 120/70 ZR17M/C
Pneu traseiro: 180/55 ZR17M/C
Comprimento x largura x altura: 2110 x 775 x 1120 mm
Distância entre eixos: 1450 mm
Distância mínima do solo: 150 mm
Altura do assento: 810 mm
Capacidade do tanque: 17,3L (4,0L)
Peso seco: 195kg

-Informações e imagens: MotoMovimento-

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *