Teste: Honda CG 500 ou CB 500?

São Paulo (SP) – Já vi em fóruns de discussão sobre motos e motociclismo alguém chamando a nova linha CB 500 da japonesa Honda de “CG” 500. Apesar do tipo de letra escolhido pela montadora deixar dúvidas se está escrito CB ou CG no adesivo do tanque, os críticos da 500cc querem depreciar a imagem de “esportiva de entrada” associando-a ao popular modelo 125. Mas é justamente a condução CG da CB uma característica interessante da linha 500.

MotoMovimento testou simultaneamente a proposta urbana da linha, a CB 500F, em duas versões: com e sem ABS. Sobre a diferença entre os sistemas de freio, deveria ser obrigatório, de fábrica e sem custos adicionais aos clientes, a ajuda antiderrapante do ABS. Básico.

Na condução, a CB 500F surpreendeu pela agilidade no trânsito da cidade de São Paulo, apesar dos 178 kg do modelo standard e 180 kg com ABS – some a isso o tanque cheio de 15,7 litros mais óleo e líquido de resfriamento do motor. O banco estreito na parte da frente ajuda no jogo de cintura do piloto para o direcionamento da moto. Aliado à distância de 78,5 cm do solo, os dois fatores são determinantes para a urbanidade da motocicleta. Faz tão bem o corredor de motos em São Paulo que alguns motoboys me abordaram para perguntar sobre o modelo que, inclusive, acharam bonito.

Leia também:
+ O comportamento eletrônico da BMW S 1000 R
+ Next 250 é o sonho do motoboy
+ Classic LT: para longas distâncias
+ A potência e o conforto da Concours 14

Dentro da proposta urbana, apesar do peso, é uma moto leve na pilotagem. Mas isso tem um preço. Também é leve nas rodovias, principalmente enfrentando a turbulência do ar nas ultrapassagens de caminhões. Na pista de testes ela vai muito bem até 130/150 km/h. Mais que isso é preciso atenção ao guidão. A fábrica diz que ela pode chegar a até 185 Km/h. Ainda na condução, com pneus nas medidas 120 na frente e 160 atrás (iguais aos da Bandit 650), a moto comportou-se prazerosa nas centenas curvas de serra do Circuito das Águas Paulista.

O motor DOHC, bicilíndrico, quatro tempos, arrefecido a líquido de 471 cc, gera 50,4 CV a 8.500 rpm e torque de 4,55kgf.m a 7.000 rpm. Aqui a linha 500 da Honda entra em um dilema dependendo da comparação que se faça. Comparada com a Bandit 650, na cidade, a CB exige descer marchas com mais frequência para manter o giro no anda e para do trânsito urbano. Comparada aos modelos 250 e 300 cilindradas ela vai melhor. Já na estrada, mesmo em overdrive (são seis marchas com engates suaves) a retomada é bem interessante.

Nos cerca de 600 quilômetros percorridos para esse teste (500 deles na estrada e curvas de serra), a CB 500F fez uma média de 27 quilômetros por litro de gasolina. Bom para uma moto que ultrapassa a média cilindrada. O banco bipartido é confortável tanto para o piloto quanto para o garupa. Como a proposta da fábrica mescla o uso urbano com toques de esportividade, o guidão joga o corpo do piloto um pouco para frente. O uso intenso na cidade pode cansar, dependendo do piloto e da pilotagem mais ou menos agressiva.

Preços

Os preços da CB 500F são de R$ 22.000 (STD) e R$ 23.500 com ABS. Completam a linha a CB 500X, que acaba de chegar ao mercado com valor sugerido de R$ 25.000 na versão com freio ABS e R$ 23.500 para a básica e a CB 500R. Essa última com custo sugerido pela fábrica aos consumidores de R$ 23.000 a standard e R$ 24.500 com o sistema antiderrapante.

Por: Mário Tonocchi

-Imagens e vídeo: MotoMovimento e divulgação-

4 comentários em “Teste: Honda CG 500 ou CB 500?

  1. Prezados,

    Tenho uma CB500F com ABS adquirida em fevereiro de 2014 e somente consegui, até agora, na cidade, 25km/l, enquanto que na única viagem que fiz, uma média de 23km/l. O que tenho que fazer para que a moto faça 27/28 km/l?

    1. Não sei se é o seu caso, mas geralmente as motos gastam mais combustível quando ainda estão no período de amaciamento do motor. Abraços.

    2. Bom dia,

      Coloca um motor de Biz…. Quer fazer quase 27/28 km/l. Desça morro sem usar acelerador. Só assim. Se fizer 22 a 24 está loko de bom com nossa gasolina de baixa qualidade.

  2. Já vi uma dessa na concessionária. Creio que é um Up para quem está nas 300 cilindradas. Mas a CB 500 tem muitos detalhes que poderiam ser mais trabalhados como, por exemplo, o escapamento que é o mesmo da 300..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *