Teste Indian Chief Classic e Chief Vintage

O torque de 161,6 N.m. a 3.000 rpm das Indian cruiser Chief Classic e bagger Chief Vintage determinou o “caminho suave” no teste dos modelos por MotoMovimento. No Haras Tuiuti, interior paulista, onde também foi apresentada a Scout, moto de entrada da Indian, as Chief ofereceram motor “linear e liso” mesmo na terceira ou quarta marchas e em baixa rotação. Também apresentaram pouca vibração. Algumas diferenças entre as eternas concorrentes norte-americanas Indian e Harley-Davidson.

No centro da avaliação, comum aos dois modelos da Indian, o motor Thunder Stroke 111 de 1.811cc que envolve o torque de 161,6 N.m. a 3.000 rpm é um V2 com comando de válvulas acionado por vareta e 2 válvulas por cilindro com arrefecimento misto de ar e óleo e alimentação por sistema de injeção eletrônica. A montadora não informa a potência de seus modelos. Mostrou boas respostas na pista de avaliações de veículos do Haras, mas os modelos contam com uma inovação tecnológica que às vezes chega a ser polêmica, o acelerador eletrônico.

Quem não está acostumado estranha o acionamento eletrônico da velocidade. A tecnologia não permite que as oscilações do movimento da moto ou do próprio punho do piloto na manopla cheguem ao motor. É um item de segurança mas também não dá para “torcer o cabo e sair a milhão” nem mesmo nas retomadas. Esse vácuo, mesmo que de milésimos de segundos entre abrir o acelerador e a resposta do motor, deixa a sensação de um “buraco” na aceleração. Tem que se habituar pois o motor vai chegar na potência que o piloto quer mas em seu próprio tempo.

Leia também:
+ Teste MotoMovimento: Indian Scout é ágil na pista
+ Encontros e eventos para motociclistas de julho de 2016
+ Honda apresenta versão 2016 da XRE 300
+ Suzuki chama recall para 12 modelos da marca
+ Produção de motocicletas cai 37,8% em janeiro de 2016
+ Yamaha define preços para YZF-R1 e YZF R1-M no Brasil
+ Royal Enfield lança a trail Himalyan
+ Triumph lança Tiger Sport 1050 em Londres

No curto período de testes no interior paulista oferecido para a imprensa especializada, com somente duas voltas em cada modelo, as Chief apresentaram também câmbio preciso nas seis marchas e baixo ruído na transmissão final por correia. São motos com grande peso mas maleáveis dentro dos padrões de motos custom convencionais. Pelo contato restrito com as motos também não deu para avaliar a sensação de aquecimento nas pernas.

O chassi é de alumínio forjado que garante rigidez em um sistema de suspensão com dianteira telescópica com tubos de 46mm e amortecedores de dupla mola com curso de 116mm. Na traseira, balança de alumínio forjado com mono amortecedor da marca Fox Racing com regulagem de pré-carga de mola e 94mm de curso. Os dois modelos, como não poderia deixar de ser para o estilo, são confortáveis para longas viagens.

O sistema de freio com dois discos ventilados e flutuantes de 300mm e duas de pinças de freio com dois pistões cada na dianteira e disco simples ventilado e flutuante de 300mm e pinça de freio de duplo pistão na traseira estão acima das necessidades exigidas para as motos custom.

Modelos

As diferenças entre os modelos Chief Classic e Vintage estão na estética e na presença de acessórios de fábrica. A Vintage vem com banco para garupa, rodas raiadas cromadas diferente das de alumínio da Classic e cores diferenciadas. A Vintage também tem com luzes dianteiras suplementares, para-brisa em Lexan, bolsas laterais vintage em couro premium. além de comandos no guidão e bombas de freio cromadas.

Com os acessórios, a Vintage fica mais pesada. São 379 quilos com tanque cheio e 364 vazio contra 357quilos da Classic com tanque cheio e 341 vazio. Os acessórios também alteram os preços sugeridos de R$ 79.990 para a Classic e para R$ 89.990 da Vintage.

Clique AQUI para o PDF com as especificações técnicas da Chief Vintage
Clique AQUI para as características técnicas da Chief Classic

-Imagens: divulgação/Indian-

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *