UNU Scooter elétrico

A micro montadora alemã de scooter UNU Munique Motors oferece no mercado europeu, por 1.699 €, um modelo elétrico que pesa somente 58 quilos, o UNU Scooter elétrico. A principal característica do veículo, de acordo com a empresa, é o peso de oito quilos da bateria que permite que ela seja retirada do scooter para ser recarregada em qualquer lugar.

O modelo urbano tem autonomia de até 50 quilômetros e pode desenvolver velocidade de até 45 Km/h. Absorvendo tecnologia da Fórmula 1, veículo também tem um sistema de recuperação de energia cinética (KERS).

Leia também:
+ Linha 2015 da PCX no Brasil tem novas cores
+ Citycom com freio combinado
+ Vespa Primavera é lançada na Europa
+ Piaggio renova X 10 500
+ Guerra no mundo maxi scooter

A empresa, na venda de seus modelos na Europa, entrega o produto na casa do cliente em uma única caixa pronto para o uso, inclusive, com a placa do país para identificação do veículo.

-Imagens: divulgação-

3 comentários em “UNU Scooter elétrico

  1. Os carros da Tesla utilizam baterias de lítio e são referência no segmento, extremamente velozes (0-100 em menos de 4s), confiáveis e de grande autonomia, sem falar no desenho belíssimo. Também existem muitas outras tecnologias de baterias em desenvolvimento com membranas de grafeno, copolímeros, ar, celulose, etc e supercapacitores que prometem aumentar a densidade de corrente por cm² e reduzir bastante o peso do conjunto. O futuro será do carro elétrico, seu motor é muito mais eficiente do que o motor a combustão (em média 95% contra 30%), sem falar nas emissões tóxicas e cancerígenas que destroem a qualidade de vida nas grandes cidades e na segurança. durabilidade e baixa manutenção que está “assustando” concessionárias e oficinas no mundo todo.

  2. Essas porcarias elétricas dependem de um gerenciamento impecável da bateria de Lithium, que pode se estragar facilmente se a tensão cair abaixo de um limite ou for carregada acima de um valor máximo. A bateria custa uma fortuna, provavelmente do mais que uma centena de tanques cheios. O ciclo de funcionamento dessas baterias faz com que após carregadas a moto fica “esperta”, um pouco de tempo depois a moto fica “preguiçosa” durante o ciclo util da bateria e no final do ciclo útil é recarregar ou estragar a célula de energia…ainda sobre a célula de energia, composta por várias células menores, cada uma devendo ser gerenciada individualmente…senão estragam. Ou seja, isso não é o futuro…não é leve, não tem autonomia, não tem performance e não substitui em custos os motores de combustão interna, é apenas um trambolho vendido pra meia dúzia de ecochatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *