Vendas de motos em 2021

São Paulo (SP) – A crise e a Pandemia não afetaram substancialmente o marketshare do mercado de motocicletas brasileiro em 2021. As japonesas Honda e Yamaha mantiveram o domínio numérico dos emplacamentos, a Honda com 882.483 unidades e 76,25% do mercado total e a Yamaha com 201.666 motos vendidas no varejo no ano passado, 17,42% de participação no mercado.

O domínio da Honda é basicamente o de motocicletas de baixo custo e cilindrada com 852.627 das 882.483 dos modelos urbanos voltados para trabalho e pequenas locomoções na cidade. Na categoria City, a CG 160 emplacou 315.141 unidades em 2021, com 68,53% do mercado. Nesse nicho, a CB 250F Twister marcou 40.926 vendas ou 8,90% do mercado.

A montadora japonesa também domina as categorias Trail com NXR160 (128.288 unidades e 52,68%), XRE 300 (30.949 e 12,71%) e XRE 190( 21.954 / 9,02%). Ainda para modelos de pequenos para cidades, a Honda vende mais ainda BIZ com 159.538 unidades em 2021, POP 110I com 105.899, PCX 150 com 28.135 e Elite com 125 21.797 unidades.

O popular da Honda nas vendas de baixa cilindrada não descola dela quando o assunto é o mercado de motos de luxo ou de alta cilindrada. A montadora não consegue se posicionar como uma marca de luxo entre os compradores desses modelos. As duas tentativas no ano passado não se refletiram em vendas.

A CRF 1100L fechou 2021 com 668 vendas ou 3,09% do mercado de Maxtrail. A soberana no nicho continua sendo a BMW com R 1250 GS com 4.593 emplacamentos. O mesmo acontece na categoria Sport. A CBR 1000RR vendeu 61 unidades enquanto a S 1000RR da marca alemã fechou em 1.091 comercializações.

Leia também
+ Bimota KB4 no EICMA 2021
+ Teste scooter Dafra Cruisym 150
+ Teste Royal Enfied Meteor 350
+ MV Agusta Superveloce AGO celebra o multicampeão italiano Giacomo Agostini

No total de emplacamentos, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), as vendas de motos encerraram 2021 com crescimento de 26,4%, acumulando 1,16 milhão de unidades nos doze meses do ano passado. Um dos principais fatores para as vendas foi a expansão dos serviços de entrega na pandemia.

-Informações e imagens: MotoMovimento-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *