Furtos e roubos de moto em SP

São Paulo (SP) – Levantamento da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) revela que foram registrados 18.553 furtos e 17.167 furtos em 2018 de motocicletas, em São Paulo. Em média, no estado, 2.936 motos foram roubadas ou furtadas por mês, 98 por dia ou 4 por hora. Terça-feira é o dia de maior incidência de furtos e domingo de roubos. As motos são mais furtadas e roubadas à noite. Os dados analisados pela Fundação são de boletins de ocorrências policiais divulgados pelo Portal Transparência (SSP).

A variação em relação ao ano de 2017 mostra que houve uma queda de 5% nos furtos de motos e um aumento de 6% nos roubos. A capital e a região do Grande ABC lideram as estatísticas. No comparativo mês a mês de furtos, foi registrado decréscimo no primeiro semestre, já no período de agosto a dezembro, os números voltaram a crescer. A movimentação em relação aos roubos no mês a mês foi de altos e baixos. Entre janeiro e março esteve abaixo, subiu de abril a junho, caiu em julho e voltou a crescer em agosto.

O horário preferido pelos criminosos para roubar e para furtar, segundo a avaliação, é à noite. Sob uma outra perspectiva, pela manhã e tarde é quando ocorrem mais furtos do que roubos. Entre os dias da semana, terça-feira e quarta-feira há perigo maior de furtos. Já o roubo ocorre principalmente no fim de semana.

Pela ordem, os furtos ocorrem em São Paulo (37.19%), São Bernardo (2,84%), Ribeirão Preto (2,75%), Santo André (2,61%), Osasco (2,47%), Campinas (2,29%), Santos (2,14%), Diadema (2,00%), Limeira (1,47%), Mogi Guaçu (1,34%). No caso dos roubos, a sequência é a seguinte: São Paulo (43.66%), Diadema (4,73%), Garulhos (4,29%), São Bernardo (4,07%), Osasco (3,75%), Campinas (3,43%), Santo André (3,43%), Maua (2,10%) Carapicuiba (1,69%) e Itaquaquecetuba (1,58%).

Capital

As informações referentes às ocorrências na cidade de São Paulo demonstram que a zona sul é a região com maior concentração de roubos e furtos. Em ordem decrescente, os bairros com alta incidência de furtos é Santo Amaro (5,68%); Pinheiros (5.09%); Bela Vista (4.55%); Jardim Paulista (4.11%); Barra Funda (3.35%); Itai, Bibi (3.22%); Vila Mariana (2.93%); Lapa (2.81%); República (2.70%) e Campo Grande (2.03%).

Com relação aos roubos, a lista é encabeçada por Itaquera (3.60%) e depois é seguida por Iguatemi (3.54%); Sapopemba (3.18%); Cidade Ademar (2.78%); Jardim Ângela (2.78%); Capão Redondo (2.69%); Pedreira (2.39%); São Mateus (2.32%); Jabaquara (2.18%); Pirituba (2.14%).

A lista de locais é diferentes para cada tipo de crime. Os furtos são mais comuns no centro expandido e nos bairros “nobres”, enquanto que os roubos ocorrem, em sua maioria, nos bairros da periferia. Não há uma tese comprovada para explicar o fato. “A teoria é de que os furtos acontecem em locais de trabalho, faculdade, lazer e outros, pois é quando essas motos ficam na rua por longo período de tempo e, geralmente, em locais afastados, o que gera a oportunidade do furto”, diz o professor de economia Erivaldo Costa Vieira, Coordenador do NP, que realizou o estudo. Ele acredita que é quando há uma ação planejada e oportunista.

Leia também:
+ Ducati Campo Grande. 10ª concessionária da marca no Brasil
+ Royal Enfield abre loja em Brasília
+ MXF Motors lança novo modelo de minimoto de 105 cilindradas para competições
+ Produção de motocicletas em tem alta de 21,1% em fevereiro de 2019
+ Michelin Anakee Adventure. Novo pneu Michelin 80% estrada e 20% off road
+ Yamaha MT-09 versão 2020 chega ao Brasil por R$ 43.690
+ Incêndio destrói as 18 motos da Energica Ego Corsa para o Mundial de MotoE
+ Recall Ducati para Monster 1200 S anos 2017 e 2018 e SuperSport S ano 2018
+ Calendário MotoMovimento de festas para motociclistas de dezembro de 2019
+ Honda Racing anuncia suas equipes oficiais para competições no Brasil
+ Yamaha Crosser 2019 com freio ABS na frente e a disco na traseira

O estudo elencou também os logradouros mais visados da capital: Rua Amador Bueno, Rua Sumidouro, Avenida Octalles Marcondes Ferreira, Rua Itapeva, Alameda Itu, Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, Avenida Padre Jose Maria, Avenida Engenheiro Eusébio Stevaux, Rua Treze De Maio, Rua Haddock Lobo, Avenida Jacu Pêssego nova Trabalhadores, Avenida Aricanduva, Avenida Sapopemba, Estrada Do M´Boi Mirim, Estrada do Alvarenga, Estrade de Itapecerica, Avenida Cupecê, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Melo e Avenida Ragueb Chohfi.

De acordo com o pesquisador, vale lembrar que, nesses bairros, a presença da polícia é ostensiva e mais frequente. “No caso do roubo, as ocorrências são no trajeto, as motos estão em deslocamento e são surpreendidas pela ação criminosa, geralmente à mão armada. Ação de alto risco e não planejada, ocorrência em bairros mais violentos”, afirma.

-Informações e imagens: divulgação/MotoMovimento-

Um comentário em “Furtos e roubos de moto em SP

  1. Falo com propriedade, pois já fui roubado e já ví outras ocorrências similares: Para se roubar uma motocicleta é sempre necessário outra para levar o piloto da furtada. Eu que não sou especialista só de observar motos com garupa, garanto que acertaria 5 em cada 10, quem está só se locomovendo e que está caçando para assaltar. Se a polícia observa-se com mais atenção, e com olhar crítico, estas ocorrências iriam diminuir drasticamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *