Furtos e roubos de moto em SP

São Paulo (SP) – O Estado de São Paulo somou 31.581 roubos e furtos de motocicletas entre outubro de 2018 e setembro de 2019, média de 2.625 ocorrências por mês. Dezembro é o mês com maior incidência, segundo o Boletim Econômico Tracker-FECAP – que analisa dados da Secretaria de Segurança Pública de SP. Em dezembro do ano passado, foram registrados 4.042 eventos, o que representa uma alta de 54% em comparação a média mensal anual. 131 motos em média foram roubadas ou furtadas por dia no Estado, no mês.

No comparativo acumulado dos últimos doze meses com o ano anterior, houve uma queda no número de ocorrências de furtos (1,82%) e queda também em roubos 3,02%. Foram 32.395 roubos e furtos em todo o Estado. “Os últimos três meses do ano apresentaram maior volume de boletins. Mas no caso de roubo, especialmente em dezembro, o índice chega a ser o dobro da média mensal e o mês de novembro fica 50% acima. Julho é o que registra menos eventos. Esses números deixam claro que o fator clima favorece a ação dos bandidos. Quanto mais motos na rua, maior a oportunidade para os criminosos”, diz o coordenador do Núcleo de Pesquisa da FECAP, Erivaldo Costa Vieira.

Sábados, domingos e feriados são os dias de maior incidência de roubos, com alta já registrada a partir da sexta-feira. No sábado os números são, em média, 20% maiores que os dias da semana e no domingo o volume de registros fica 30% acima da média. O período da noite é o preferido pelos criminosos (50,1% das ocorrências), seguindo pela madrugada (18,3%).

O coordenador do Centro de Operações do Grupo Tracker, Vitor Correa, explica que no verão muitos delitos ocorrem aos finais de semana. “Boa parte das motos apreendidas pela polícia é destinada para a chamada ‘ostentação’, prática em que os criminosos desfilam com o produto do crime pelas periferias, nos ‘rolezinhos’ e nos bailes funk. Outra parte é direcionada para o desmanche, visando a comercialização no mercado ilegal”.

Já os crimes de furto ocorrem em maior volume nos dias da semana (terça, quarta e quinta), com acentuada redução nos finais de semana. “Os delitos são efetuados em via pública, na grande maioria dos casos, quando as motocicletas estão estacionadas e os proprietários distantes. Por isso, 44% das ocorrências ocorrem durante o dia e 31% à noite, as madrugadas respondem por outros 16,4%”, afirma Erivaldo Costa Vieira.

No período analisado, a cidade de São Paulo respondeu por 41,9% dos roubos de moto no estado e por 34,7% dos furtos. Entre os quinze municípios que registram maior número de ocorrências de roubo, apenas três não estão localizados na região da Grande São Paulo, são eles: Campinas, Sorocaba e Ribeirão Preto. Dos municípios da Grande São Paulo, excluindo a Capital, 12% das ocorrências são no ABCD.

Leia também:
+ Calendário. Encontros, festas e eventos para motociclistas 2020
+ Teste Royal Enfield Himalayan 410
+ Honda ADV 150 e Forza 300. Promessas para o Brasil, em 2020
+ Kawasaki apresenta Z900 e KX250 atualizadas no SDR
+ Royal Enfield divulga preço da Intercept e Continental GT 650cc

Os crimes de furto são mais pulverizados. A cidade de Ribeirão Preto aparece em segundo lugar entre os municípios com maior número de eventos de furto (2,76%). A região do Grande ABCD também tem grande número de registros de furto, cerca de 7%. As cidades do litoral sul de São Paulo, Santos e Praia Grande juntas, responderam por 3%.

Na capital, cinco bairros se destacam negativamente, com maior número de roubos e furtos: Santo Amaro, Cidade Ademar, Pinheiros, Bela Vista e Itaquera. Na análise dos crimes exclusivamente de furto os top 5 foram: Santo Amaro, Pinheiros, Bela Vista, Jardim Paulista e Lapa. “São bairros centrais e alguns considerados ‘nobres’. Uma forma de redução os riscos de furto nesses locais seria o uso de estacionamentos, travas e alarmes”, alerta Erivaldo Costa Vieira.

Já os eventos mais violentos, com arma em punho, são mais frequentes em bairros da periferia: Itaquera, Cidade Ademar, Iguatemi, Sapopemba e Jardim Ângela. “A redução das perdas se faz por seguros e utilização de rastreadores para localização e recuperação do veículo por parte das autoridades após o acontecido”, observa o coordenador do Núcleo de Pesquisa da FECAP.

-informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *