Kawasaki Ninja ZX-10R versão 2022

São Paulo (SP) – A Ninja ZX-10R versão 2022 chega ao Brasil na segunda quinzena de junho com preço promocional de R$ 97.990 na cor preta e R$ 99.990 na versão Racing Team (KRT). A apresentação do modelo, em live realizada pela Kawasaki hoje (01/06), mostrou novidades como o sistema de freios ABS inteligente da Kawasaki (KIBS) de fábrica, novo radiador de óleo refrigerado a ar além de introdução de winglets integrados e atualizações nas suspensões. A nova versão conta ainda com acelerador eletrônico, atualizações no sistema de transmissão com roda dentada traseira maior que torna as mudanças de 1ª, 2ª e 3ª marchas mais próximas.

O novo radiador de óleo refrigerado a ar, usado no Mundial de SuperBike, possui circuito independente. Em vez de direcionar o líquido de arrefecimento do radiador para o radiador de óleo e de volta para o motor, o óleo é encaminhado do cárter inferior esquerdo para o radiador de óleo, onde é resfriado e, em seguida, devolvido para o lado direito. Isso gera uma refrigeração mais eficiente, o que contribui para um ganho de desempenho do motor em todas as rotações.

Na geometria do chassi (Twin-spar de alumínio) as mudanças para 2022 contribuíram, diz a montadora, para aumentar sua estabilidade e oferecer maior controle nas mudanças de direção. Dentre as revisões, o pivô do braço oscilante foi reposicionado 1 mm para baixo e a distância entre eixos ganhou 10 mm, passando de 1.440 mm para 1.450 mm. Com essa nova configuração, o equilíbrio dianteiro-traseiro moveu-se ligeiramente para frente (0,2%), “proporcionando melhor desempenho nas curvas.”

Nas suspensões, dianteira com garfo invertido de 43 mm, com tecnologia Showa BFF (Balance Free Front Fork) – desenvolvido pela equipe Kawasaki Racing Team. Tem área de fixação mais ampla no grampo triplo inferior com os tubos externos foram revisados. Já as configurações da mola foram alteradas para se adequar melhor as características das pistas, reduzindo o spring rate de 21,5 N/mm para 21,0 N/mm. Na traseira, o spring rate foi elevado de 91 N/mm para 95 N/mm para tornar a mola mais rígida. O restante da configuração seguiu igual ao modelo anterior: back-link horizontal com BFRC-lite (Balance Free Rear Cushion), com reservatório de gás tipo piggyback, compressão, retorno e pré-carga totalmente ajustáveis.

No sistema de freios, com poucas mudanças, a superesportiva manteve a marca Brembo com utilização de ABS de fábrica. Teve revisões nas pastilhas e no reservatório de fluido traseiro reposicionado. Foram mantidos o disco duplo semiflutuante de 330 mm e pinça dupla com quatro pistões na dianteira, e, na traseira, disco simples de 220 mm com pinça de furo simples com pino deslizante.

Na ergonomia, bolha para-brisa instalada em ângulo mais íngreme e 40 mm mais alta, posição dos punhos (manoplas) estendida 10 mm para frente, traseira do assento mais elevada e pedais reposicionados 5 mm para cima. “Essas revisões contribuíram para melhorar a liberdade do piloto sobre a moto, diminuir o arrasto nas retas e proporcionar uma condução mais agressiva nas pistas.”

Na estrutura da carenagem, a entrada do Ram Air recebeu novo formato e ficou mais compacto. A carenagem do farol recebeu asas (Winglets) embutidas que contribuem para manter a roda dianteira no solo nas saídas de curva e em fortes acelerações. Novas aberturas laterais foram inseridas para melhorar a dissipação do calor do motor. Na parte inferior, o novo formato da carenagem foi projetado para direcionar o ar para o radiador de óleo, aumentando sua eficiência. Já na traseira, ranhuras foram incorporadas para tornar o estilo ainda mais aerodinâmico.

No sistema de iluminação totalmente de LED, a superesportiva ganhou novos faróis, agora mais centralizados e com design de inclinação reversa, posicionados na parte mais interna da caixa. Os espelhos retrovisores receberam novo design com luzes indicadoras de direção de LED. Já os piscas passaram a ser conectados por meio de acopladores, o que facilita a remoção dos espelhos para pilotagem em circuitos.

O sistema eletrônico recebeu a Unidade de Medição Inercial (IMU) da Bosch com novos recursos de modos de pilotagem integradosm e controle eletrônico de cruzeiro. As atualizações tornaram mais fácil definir o controle de tração (S-KTRC) e a entrega de potência (Power Mode). Nos Modos de Pilotagem, por meio de um botão ao lado do punho esquerdo, o condutor pode escolher entre três configurações pré-determinadas (Esportiva, Estrada e Chuva) ou ainda quatro configurações manuais (Rider 1-4), previamente definidas. Além disso, o S-KTRC (Sport-Kawasaki TRaction Control) recebeu atualizações nos modos 4 e 5, “o que tornou a condução mais ‘amigável’ e facilitou a aceleração durante as curvas e nas saídas de curva.”

Leia também
+ Edição 2021 do Salão Duas Rodas é adiado para novembro de 2022
+ Honda lança CRF 1100L Africa Twin 2021
+ Produção de motos tem pequena recuperação em abril
+ Harley-Davidson cria marca própria para motos elétricas
+ Suzuki apresenta, na Europa, a nova GSX-S 1000 2021
+ Recall Honda CRF 450R para substituição da corrente de transmissão
+ Big trail chinesa CFMoto 800MT
+ Produção de motos: queda no primeiro trimestre de 2021

O painel de instrumentos digital em TFT (Transistor de Película Fina) colorido de 4,3 polegadas tem tela sensível ao toque e cor de fundo selecionável (preto ou branco) e ajusta o brilho automaticamente conforme a luz ambiente. Com janelas multifuncionais roláveis, dois modos de exibição (um para as pistas e outro para pilotagem de rua) e luz indicadora para mudança de marchas estilo corrida, mostra velocímetro e conta-giros estilo barra, indicador de posição de marcha, hodômetro, medidores de percurso duplo, consumo de combustível atual e médio, volume de combustível consumido, indicador de combustível baixo, velocidade média, tempo total, temperatura do motor, temperatura do ar de admissão, relógio, voltagem da bateria, lembretes de serviço Kawasaki e de troca de óleo, além de indicadores de chamada e de e-mail. Com o aplicativo ‘Rideology The APP’, é possível acessar diversas funções, como, por exemplo, verificar o consumo de combustível, ajustar os modos de pilotagem, ou ainda gravar registros detalhados de condução.

Ficha Técnica

Motor

4 cilindros em linha refrigerado a líquido; 16 válvulas DOHC (duplo comando no cabeçote); diâmetro x curso 76.0 mm x 55.0 mm; 998 cm³; Injeção dupla de combustível ø47 mm x 4; Lubrificação forçada (cárter úmido) e radiador de óleo refrigerado a ar; partida elétrica e ignição digital

Transmissão

Corrente; 6 marchas; embreagem multidisco banhada a óleo

Quadro

Tipo: Twin-spar em alumínio fundido
Ângulo de caster: 25.0°
Trail: 105 mm
Ângulo de esterçamento (esquerda / direita): 27° / 27°
Pneus: dianteiro 120/70ZR17M/C (58W); traseiro 190/55ZR17M/C (75W)
Freio dianteiro: Duplo, semiflutuante, com discos Brembo de 330 mm; Pinça dupla oposta com quatro pistões, Brembo M50 monobloco
Freio traseiro: Disco de 220 mm em formato margarida; Pinça de furo simples com pino deslizante
Curso da roda: dianteira 120 mm e traseira 115 mm

Suspensão

Dianteira: Garfo invertido ø43 mm (BFF) com câmara de compressão externa, retorno, compressão e pré-carga da mola totalmente ajustáveis.
Traseira: Back-link horizontal com BFRC-lite (sistema da Showa para a KRT) e reservatório de gás tipo piggyback, compressão, retorno, e pré-carga totalmente ajustáveis.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *