Mercado de motos em outubro

São Paulo (SP) – O mercado de motocicletas, no Brasil, praticamente parou, em outubro, mostra análise mensal de emplacamentos da Fenabrave. No mês passado foram emplacadas 97.023 motocicletas novas contra 108.839 em setembro, queda de 10%. Na comparação com outubro de 2020, quando foram registradas 96.154 unidades, crescimento de 0,9%.

No acumulado do ano, com a base fraca do ano passado, a comparação aponta Apesar do recuo na comparação mensal, o relatório da Fenabrave mostra que de janeiro a outubro foram licenciadas 938.489 motocicletas, alta de 29% sobre as 727.224 unidades de 2020.

Ranking

Com o mercado refletindo a crise 0ol-itica, econômica e sanitária brasileira, o ranking das dez mais emplacadas da Fenabrave também apresentou estabilidade mas mantendo as características de disputa de marcado de cada grupo de modelos.

Nas Bigtrails, por exemplo, a Honda CRF 1100L, novidade do grupo lançada em agosto, estabilizou em novo lugar com 469 unidades vendidas e 2,65% de participação. Apesar da queda nas vendas, a BMW R1250 GS mantém o primeiro lugar com 3.932 unidades nas vendas acumuladas no ano e 22,19% de participação.

Nos emplacamentos de baixa cilindrada, Honda e Yamaha praticamente dominam vendas com 68,41% de participação da CG 160 no ranking City e 37,22% de participação da Yamaha MT 03 na categoria Sport. Com 41,13% a Honda Biz mantém a liderança no mercado de Scooter, a Harley-Davidson praticamente domina os emplacamentos das Touring e a Royal Enfield mantém a liderança no ranking das Custom com 41,13% de participação.

Leia também
+ Teste scooter Dafra Cruisym 150
+ Teste Royal Enfied Meteor 350
+ MV Agusta Superveloce AGO celebra o multicampeão italiano Giacomo Agostini
+ Ducati fornecerá motos para o MotoE
+ Teste Royal Enfied Meteor 350
+ Royal Enfield Interceptor 650 Twin e Continental GT 650 2022: novas cores
+ MV Agusta F3 RR 2022 com nova aerodinâmica para pistas
+ Kawasaki amplia categoria de motocicletas retrô com o lançamento da Z650RS
+ Mais barata do mercado, Shineray começa a vender, em outubro, a SH 125 Worker, por R$ 7.290

Na visão da Fenabrave, as “altas seguidas nos custos dos combustíveis, o aumento nos serviços por delivery e a procura por um transporte individual e econômico estão entre os fatores que mantêm a demanda por motos aquecidas”. “A baixa nas vendas ainda é reflexo da oferta menor de produtos, mas, a partir de agora, também temos que ficar atentos à alta nas taxas de juros e à maior seletividade do crédito, que pode impactar, negativamente, na demanda. Hoje, a aprovação de crédito para o segmento, se mantém em 4,8 aprovações para cada 10 propostas enviadas”, disse o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *