Produção de motos em janeiro

São Paulo (SP) – As fabricantes instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) produziram 83.696 motocicletas em janeiro. De acordo com levantamento da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), o volume é 9,6% superior ao registrado em dezembro (76.359 unidades) e 56,1% maior na comparação com o mesmo mês do ano passado (53.631 motocicletas).

“A nova onda de contaminações pelo coronavírus, provocada pela variante Ômicron, provocou falta de muitos colaboradores nas fábricas e comprometeu o ritmo das linhas de produção. Felizmente não houve nenhuma paralisação como aconteceu no ano passado”, explica o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian.

Com isso, ainda não será possível atender toda a demanda pelos modelos de baixa cilindrada e scooters, e acabar com a fila de espera. “Em dezembro, o volume de produção foi menor devido às férias coletivas e nossa expectativa era de acelerar a curva em janeiro. Assim, acreditamos que a recuperação da produção deverá acontecer a partir de março”, afirma Fermanian.

Varejo

Em janeiro, foram licenciadas 89.661 motocicletas, o que representa uma retração de 20,2% na comparação com dezembro (112.363 unidades). Em relação ao mesmo mês do ano passado, houve alta de 4,5% (85.798 motocicletas).

Fermanian explica que o recuo no volume de emplacamentos já era previsto, porém a demanda pelo modal deve continuar aquecida. “A motocicleta é um veículo ágil, econômico, com preço acessível e baixo custo de manutenção. Além disso, os preços dos combustíveis contribuem para aumentar o número de pessoas que optam pelo modal”, afirma Fermanian.

Nesse cenário, o presidente da Abraciclo destaca o crescimento dos emplacamentos das Scooters. Apesar de ter 9,8% de participação no mercado, esse modelo ganha cada vez mais espaço nas ruas e avenidas, graças a sua praticidade, versatilidade e baixo consumo de combustível. “Além disso, é fácil de pilotar graças à tecnologias como o câmbio automático, freios combinados ou com ABS e sistema Start&Stop”, diz.

Com 46.200 unidades emplacadas e 51,5% do mercado, a Street foi a categoria mais licenciada em janeiro. Em segundo lugar, ficou a Trail (15.832 unidades e 17,7% do mercado), seguida pela Motoneta (13.160 motocicletas e 14,7%).

Leia também
+ BMW S1000 RR 2022. Nova cor, chassi e transmissão, por R$ 122.500
+ Harley-Davidson: modelos e preços 2022
+ Abraciclo: projeção conservadora para produção de motos em 2022
+ Crise e a Pandemia não afetam marketshare do mercado de motocicletas brasileiro em 2021
+ Bimota KB4 no EICMA 2021
+ Teste scooter Dafra Cruisym 150
+ Teste Royal Enfied Meteor 350

Segundo dados da Abraciclo, as motocicletas de baixa cilindrada (até 160 cilindradas) representaram 82,9% das vendas no varejo com 74.294 unidades. Os modelos de 161 a 449 cilindradas responderam por 13,9% do mercado, com 12.505 unidades. Já as motocicletas acima de 450 cilindradas tiveram 2.862 unidades licenciadas, o que corresponde a 3,2% do mercado.

Com 21 dias úteis, janeiro registrou média diária de vendas de 4.270 unidades. Na comparação com dezembro, que teve dois dias úteis a mais, houve recuo de 12,6% (4.885 motocicletas/dia). Em relação ao mesmo mês de 2021, que contou com 20 dias úteis, a retração foi de 0,5% (4.290 unidades diárias).

Exportações

Os embarques de motocicletas para o mercado externo totalizaram 3.328 unidades em janeiro, o que corresponde a uma pequena alta, de 1,4%, na comparação com dezembro (3.283 motocicletas. Em relação a janeiro de 2021, no entanto, houve queda de 14,8% (3.904 unidades).

De acordo com levantamento do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, a Argentina foi o principal destino (1.220 motocicletas e 38% do volume total exportado). Os Estados Unidos ficaram em segundo lugar (762 unidades e 23,8% do total exportado), seguidos pela Colômbia (408 motocicletas e 12,7%).

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *