Produção de motos em janeiro/21

São Paulo (SP) – Com 53.631 unidades montadas em janeiro, a indústria de motocicletas brasileira registrou queda de 46,5% na comparação com o mesmo mês do ano passado (100.292 unidades). De acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), o volume também é 27% menor ao registrado em dezembro de 2020 com 73.471 motocicletas.

O presidente da associação, Marcos Fermanian, afirma que a queda já era esperada, pois a cadeia produtiva foi fortemente impactada pela segunda onda do coronavírus na cidade de Manaus, que levou o governo estadual a impor restrições à circulação de pessoas e instituir o toque de recolher. “Essas medidas levaram muitas fabricantes a reduzir suas jornadas e trabalhar em um único turno. Além disso, tivemos paralisações temporárias em algumas empresas devido à falta de insumos”, explica.

De acordo com o executivo, o cenário adverso neste início do ano não deve alterar a estimativa da entidade de produzir 1.060.000 motocicletas em 2021. “O impacto de janeiro já estava nos nossos radares. A maior dificuldade para todos os setores da economia é saber como ficará a situação da pandemia nos próximos meses”, afirma. “É preciso que a imunização em massa ocorra o mais rápido possível para que a indústria volte a operar com fôlego, recupere as perdas dos últimos meses e consiga, finalmente, equilibrar a relação de oferta e demanda”, destaca.

O presidente da Abraciclo explica que ainda não será possível atender à demanda e acabar com a fila de espera por motocicletas. Atualmente existem cerca de 150 mil pessoas, principalmente aquelas que adquiriram o veículo por meio de consórcio, aguardando sua motocicleta. “Esperávamos atender uma parte delas agora. No entanto, as novas restrições impostas pelo aumento de casos da Covid-19 impediram que as fabricantes mantivessem o mesmo ritmo de produção dos últimos meses de 2020”, explica.

Varejo

Em janeiro foram emplacadas 85.798 motocicletas, o que corresponde a uma queda de 13,1% na comparação com as 98.775 unidades licenciadas em dezembro. Em relação ao mesmo mês de 2020, houve recuo de 6,4% (91.664 unidades). A Street foi a categoria mais emplacada com 41.738 unidades licenciadas e 48,6% do mercado. Na sequência, vieram a Trail (16.567 unidades e 19,3% de participação) e a Motoneta (12.545 unidades e 14,6%). Confira o ranking:

Leia também
+ Suzuki apresenta a Hayabusa 2021 de terceira geração
+ O motociclista Sir Tom Moore
+ Honda perde participação no emplacamento de janeiro 2021
+ Produção de motos cai 13,2% em 2020, diz Abraciclo
+ Como em 2019, BMW não participará do Salão Duas Rodas 2021
+ Harley-Davidson linha 2021 com Street Bob e Fat Boy 114

Com 20 dias úteis, a média diária de vendas foi de 4.290 unidades – a melhor desde janeiro de 2015, que teve 5.174 motocicletas emplacadas/dia. Em relação a dezembro, com dois dias úteis a mais e média diária de 4.490 unidades, o recuo foi de 4,5%. Na comparação com janeiro do ano passado, que também teve 22 dias úteis, foi registrada alta de 3%. Naquele mês, a média diária de vendas foi de 4.167 motocicletas.

Exportações

No primeiro mês do ano, foram exportadas 3.904 motocicletas. O volume foi 12,8% menor na comparação com as 4.477 unidades embarcadas em dezembro. Em relação a janeiro de 2020, quando as exportações totalizaram 1.701 unidades, houve alta de 129,5%.

Segundo levantamento do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, os três principais destinos foram: Argentina (1.704 unidades e 42,2% do volume total exportado), Estados Unidos (1.198 unidades e 29,7% das exportações) e Austrália (579 unidades e 14,3%).

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *