Produção motos

São Paulo (SP) – A produção de motos foi 38,6% menor, em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, quando 94.442 unidades saíram das linhas de montagem no Polo Industrial de Manaus (PIM). As 58.014 unidades montadas no mês passado, representam alta de 8,2% ante o produzido em janeiro (53.631 unidades). Ainda segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), foram montadas 111.645 motocicletas no primeiro bimestre, o que corresponde a uma retração de 42,7% em relação ao mesmo período de 2020 (194.734 unidades).

Na avaliação do presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, os números registrados neste início do ano ainda refletem o agravamento da crise sanitária na cidade de Manaus, que fez com que as fábricas readequassem seus turnos de trabalho para atender ao toque de recolher implantado pelo governo estadual. “Essas medidas impediram que as fábricas mantivessem a curva crescente de produção registrada nos últimos meses de 2020”, diz. “Acreditamos que, com produção plena a partir de março, conseguiremos recuperar parte dos volumes e, com isso, ter condições de reduzir a fila de espera por motocicletas, que hoje é de cerca de 150 mil unidades”, afirma.

Os emplacamentos em fevereiro totalizaram 57.384 unidades. O volume é 33,1% menor que o registrado no mês anterior (85.798 motocicletas) e 28,1% inferior às 79.812 motocicletas emplacadas em fevereiro de 2020. “O impacto sofrido na produção afeta toda a cadeia. Ainda temos uma demanda reprimida que não conseguimos atender. A procura por motocicletas segue em alta, mas é preciso equilibrar a relação de oferta e demanda”, observa o presidente da Associação.

Vendas

A categoria mais emplacada em fevereiro foi a Street com 27.598 unidades e 48,1% de participação no mercado. Em segundo lugar, ficou a Trail (11.248 unidades e 19,6% do mercado), seguida pela Motoneta (7.544 unidades e 13,1%). No bimestre, foram 143.182 motocicletas licenciadas contra 171.476 no mesmo período de 2020, queda de 16,5%. As três categorias que registraram o maior volume de emplacamentos foram: Street (69.336 unidades e 48,4% de participação no mercado), Trail (27.815 unidades e 19,4%) e Motoneta (20.089 e 14%).

A média diária de vendas em fevereiro, que teve 20 dias úteis foi de 2.869 motocicletas. De acordo com levantamento da Abraciclo, foi o pior resultado para o mês desde 2003, que teve 3.390 emplacadas/dia. Na comparação com janeiro que teve o mesmo número de dias úteis, houve retração de 33,1% (4.290 unidades licenciadas/dia). Em relação a fevereiro do ano passado, que teve 18 dias úteis, a queda foi de 35,3% (4.434 motocicletas emplacadas/dia).

Exportações

Em fevereiro, as exportações de motocicletas totalizaram 2.926 unidades, o que representa queda de 25,1% na comparação com o mês anterior (3.904 unidades). Em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram exportadas 2.394 unidades, houve alta de 22,2%.

Leia também
+ Ducati começa a vender, no mercado europeu, em abril, a naked Monster 2021
+ Teste scooter Honda ADV 150. Preparado para uso nas cidades
+ Honda, Yamaha, KTM e Piaggio criam consórcio para baterias universais de motos elétricas
+ Harley-Davidson lança a aventureira Pan America 1250
+ Royal Enfield Himalayan 2021 tem GPS e ABS desligável na traseira
+ Produção de motos em janeiro de 2021 tem queda de 46,5% ante janeiro de 2020
+ Suzuki apresenta a Hayabusa 2021 de terceira geração

De acordo com levantamento do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, os três principais destinos foram: Estados Unidos (1.628 unidades e 44,2% do volume total exportado), Argentina (762 unidades e 20,7% das exportações) e Canadá (450 unidades e 12,2%).

No primeiro bimestre, foram exportadas 6.830 motocicletas, o que representa aumento de 66,8% na comparação com o mesmo período do ano passado (4.095 unidades). Os países que mais receberam motocicletas produzidas no Polo de Manaus foram: Estados Unidos (2.826 unidades e 36,6% do total exportado), Argentina (2.466 unidades e 31,9%) e Colômbia (694 unidades e 9%).

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *