Teste Kawasaki Versys 1000 2020

São Paulo (SP) – A Kawasaki refinou a esportividade, o desempenho e o conforto da nova Versys 1000 2020 com a implementação de muita tecnologia embarcada. A versão Standard utilizada no teste de MotoMovimento, mostrou que o controle pode ser total sobre o comportamento do modelo com ajustes nas suspensões dianteira e traseira, além de freios e controle de tração precisos. O preço público sugerido é de R$ 55.490.

O controle sobre o veículo acompanha o conforto com banco bipartido grande com espuma firme tanto para o piloto quanto para garupa que garantem viagem de 400 km sem interrupções. O percurso, inclusive, é a estimativa da Kawasaki para a autonomia considerando o tanque de combustível com capacidade para até 21 litros de gasolina. Na avaliação, o consumo médio variou entre 17 e 19 km/l. O teste foi realizado com pouco mais da metade da capacidade total de carga útil da moto, de 220 kg.

Ainda no quesito conforto, a posição ereta de pilotagem e a possibilidade de ajuste manual do para brisa permitem pilotagem relaxada. Merece atenção o equilíbrio já que a bigtrail é uma moto alta com banco sem regulagem de altura a 820 mm do piso. Alças laterais na rabeta também ajudam na segurança da garupa.

As suspensões são destaque na nova versão da estradeira-esportiva, com garfo invertido de 43 mm na dianteira, 150 mm de curso, que pode ser ajustado no retorno e pré-carga de mola em cliques. É possível deixar a frente da moto mais firme ou mais suave dependendo da necessidade de pilotagem. Na estrada, mostrou-se bastante eficiente. Da mesma forma, a suspensão traseira, com 152 mm de curso, tem amortecedor traseiro a gás e reservatório externo e também tem ajustes de compressão (alta/baixa velocidade), retorno e pré-carga que permite escolher o comportamento da moto de acordo com as condições de pilotagem.

Também eficientes para o modelo, os freios com discos de 310 mm na dianteira são agora fixados por pinças monobloco de montagem radial de 4 pistões opostos com pistões de diâmetro diferenciado: 32 mm superior, 30 mm inferior. Na traseira, disco de 250mm de pistão único. O sistema Kawasaki Intelligent anti-lock Brake System (ABS KIBS) é próprio da montadora japonesa e é bastante preciso.

A moto está equipada com controle de tração. Três modos cobrem uma ampla variedade de condições, oferecendo melhor desempenho em pilotagem mais esportiva ou tranquilidade para percorrer superfícies escorregadias com confiança. O piloto automático é acionado com um toque no botão e pode ser ajustada com botões “+” ou “-” sem que ele seja desativado. Isso só acontece com toque nos manetes do freio ou embreagem, no pedal do freio traseiro ou ao fechar o acelerador.

Leia também:
+ Salão Duas Rodas aposta em test rides
+ Honda X-ADV 2019 tem nova cor cinza fosco
+ Kawasaki Z400 no Brasil. Em agosto, por R$ 22.990
+ Teste Ducati Monster 797
+ Honda lança ADV 150 na Indonésia
+ Yamaha YZF-R1 e YZF-R1M 2020 lançadas nos EUA
+ Honda CRF 1000L Africa Twin 2020 com versão inédita Adventure Sports
+ Ducati confirma lançamento do modelo Panigale V4 S no segundo semestre
+ Crivilin vence quinta etapa do Brasileiro de Enduro FIM
+ MV Agusta Dragster RC Shining Gold. Edição limitada a uma unidade

O motor de quatro cilindros em linha de 1.043 oferece potência máxima de 120cv a 9.000 rpm e torque máximo de 10,4 kgf.m a 7.500 rpm. Tem boas retomadas na estrada mesmo com marcha alta e baixa velocidade. O controle de tração, que pode ser desligado, são três opções que deixam a moto mais ou menos esportiva. No modo 3, vai bem na estrada de terra em boas condições mesmo o modelo planejado para ter total eficiência em rodovias e inclusive no uso urbano, mesmo com suas grandes dimensões. Incursões no corredor devem respeitar as dimensões e o peso total de 253 kg nas frenagens agitadas do trânsito nas cidades.

O painel da versão Standard tem tacômetro analógico e tela digital em LCD com display negativo – fundo preto e caracteres em branco. Tem velocímetro digital e indicador de marcha, medidor de combustível, hodômetros, dual trip, consumo de combustível atual e médio, autonomia restante, ângulo de inclinação, temperatura do líquido de arrefecimento, temperatura do ar, relógio e indicadores de condução econômica. Um útil soquete instalado no painel pode ser utilizado para ligar um pequeno dispositivo eletrônico.

A Kawasaki atualizou completamente o design da versão 2020. A moto ficou com aparência mais agressiva principalmente a versão Standard com a cor laranja ou “Candy Steel Furnace Orange” como prefere denominar a marca japonesa. Chama muita atenção pode onde passa.

Standard X Grand Tourer

As diferenças entre a versão Standard e Grand Tourer, além das malas laterais de 28l cada, top case de 47l e do painel mais sofisticado de LCD TFT colorido na GT, estão na largura total que passa de 895mm para 950 na GT, na altura total que vai de 1.465mm para 1.530 e no peso que passa de 253 kg na Standard para 257 kg na Grand Tourer.

Nas suspensões, a GT tem garfo telescópico invertido de 43 mm, compressão e retorno controlados pelo KECS, pré-carga de mola ajustável manualmente na frente e amortecedor a gás com reservatório externo; compressão e retorno controlados pelo KECS, pré-carga de mola ajustável eletronicamente na traseira.

A GT tem um sistema de faróis auxiliares de curva que acende progressivamente quando mais a moto inclina, ampliando a visão lateral nas. A versão Standard tem definido o local para a instalação do sistema mas ele não é vendido como acessório no Brasil. A instalação com equipamento importado anula a garantia se estiver dentro do período.

A versão Grand Tourer oferece ainda Quick-Shifter bidirecional, painel TFT colorido, setas em LED, aquecedor de manoplas, para-brisas mais largo, protetores de mãos, protetores de tanque e joelhos, sliders (eixo dianteiro e quadro) e pintura de alta durabilidade. Tem preço público sugerido de R$ 66.990.

Ficha Técnica versão Standard

Motor
Tipo 4 cilindros DOHC
Deslocamento: 1.043 cm³
Diâmetro x curso: 77,0 x 56,0 mm
Taxa de compressão: 10,3:1
Alimentação Injeção eletrônica: (38 mm x 4)

Chassi: Tipo Diamond

Suspensão
Dianteira: Garfo telescópico invertido de 43 mm, com ajustes de retorno e pré-carga de mola
Traseira: Amortecedor a gás com reservatório externo, ajustável em retorno e pré-carga de mola
Curso: Dianteira: 150 mm
Curso: Traseira: 152 mm
Cáster: 27°
Trail: 106 mm
Ângulo de esterçamento: (esq./dir.) 34°/34°
Pneu dianteiro: 120/70ZR17M/C (58W)
Pneu traseiro: 180/55ZR17M/C (73W)
Freio dianteiro: 2 discos de 310 mm (diâmetro efetivo 276mm), Pinças monobloco de montagem radial com 4 pistões opostos
Freio traseiro: Disco de 250 mm (diâmetro efetivo 216 mm), Pinça de pistão único

Transmissão
Transmissão final: Corrente
Número de marchas: 6 velocidades
Relações de marcha: 1a 2,692 (35/13)
Relações de marcha: 2a 1,950 (39/20)
Relações de marcha: 3a 1,529 (26/17)
Relações de marcha: 4a 1,304 (30/23)
Relações de marcha: 5a 1,136 (25/22)
Relações de marcha: 6a 0,958 (23/24)
Relação de redução primária: 1,627 (83/51)
Relação de redução final: 2,867 (43/15)

Dimensões
Comprimento total: 2.270 mm
Largura total: 895 mm
Altura total: 1.465 mm
Distância entreeixos: 1.520 mm
Altura do solo: 150 mm
Altura do assento: 820 mm
Peso em (ordem de marcha): 253 kg
Capacidade do tanque: 21 litros

Performance
Potência máxima: 120cv a 9.000 rpm
Torque máximo: 10,4 kgf.m a 7.500 rpm

Vídeo promocional da versão Grand Tourer

-Informações e imagens: MotoMovimento-

Um comentário em “Teste Kawasaki Versys 1000 2020

  1. REALMENTE UM MAQUINÃO, ESTOU TROCANDO DE MOTO E ESTOU ESTUDANDO CUSTO OPERACIONAL , ASSISTÊNCIA TÉCNICA ( REDE DE CONCESSIONÁRIAS), ETC ETC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *