Teste. Royal Enfield Classic 500

São Paulo (SP) – Pilotar uma Classic 500 é uma experiência para além de uma viagem no tempo. O modelo não é uma retrô moderninha disfarçada de antiga ou uma antiga bem restaurada. É uma clássica montada com o mesmo estilo desde a Segunda Guerra Mundial mantendo agilidade, simplicidade no conceito e aparência robusta que acompanham a evolução tecnológica da mecânica e da pilotagem.

Com afogador e pedal que funcionam, está disponível no Brasil nas cores preto, bege e azul por R$ 19.900 sem ABS e R$ 20.900 com ABS. As vendas sem ABS vão até acabarem os estoques da montadora instalada em abril de 2017 no País já que o item é obrigatório no Brasil desde janeiro deste ano para modelos acima de 300cc. As novas importações são somente com ABS. Apesar da diferença de preço, vale a pena investir no sistema anti-travamento.

A pedido da montadora indiana, esta é a segunda vez que MotoMovimento faz uma reportagem de teste com a Classic 500. O primeira foi publicada em março do ano passado com um modelo com ABS. O segundo contato aprofundou um pouco mais o conhecimento de um produto que desperta muitas paixões em ainda uma pequena parcela de motociclistas brasileiros que classificam os modelos da Royal Enfield não somente um estilo de vida mas um “motopurismo”.

No desempenho, o motor monocilindro, 4 Tempos, resfriado a ar, de 499cc, com potência máxima de 27.2 cv a 5.250 rpm e torque máximo de 4,2 fg.m a 4.000 rpm conta com ignição eletrônica digital e vibra como todas as motos de quase cem anos atrás. Nessa linha, o torque é vigoroso mas com pouca velocidade final. Na cidade, ajuda muito o torque na agilidade entre os veículos mas na estrada o desempenho não anima.

Nas grandes distâncias, a solução é adotar a filosofia da montadora de que o modelo é feito para passear nos domingos ensolarados nas rodovias a, por exemplo, 80 km/h. Com o torque pode-se ainda se aventurar na estrada de terra de bom piso. O tanque tem 13,5 litros e o consumo médio no segundo teste foi de 22 km/l com uso moderado na aceleração tanto nas estradas como na pilotagem urbana ou rural.

Leia também:
+ Parceria KTM/Bajaj Auto para modelos urbanos elétricos
+ Yamaha lança scooter elétrico EC-05 para o mercado tailandês
+ MXF Motors lança consórcio nacional
+ Kawasaki inicia vendas da Versys 1000 modelo 2020 a partir de 15 de julho
+ Royal Enfield abre nova loja em Curitiba
+ Yamaha Fazer 250 ABS versão 2020 tem nova cor vermelha
+ Danilo Berto morreu em acidente no warm-up da categoria Superbike Extreme
+ MXF Motors atualiza a minimoto 50TS para 2019
+ Honda Gold Wing 2019 parte de R$ 136.550
+ Teste: Yamaha XTZ 250 Lander ABS. Confortável e ágil no meio urbano

No conforto, boa posição ereta e banco em couro com molas sustentaram uma viagem de 300 km sem descanso. As pedaleiras centralizadas e fixas no chassi em linha com as botas são largas e acertam as pernas ao parar a moto e colocar os pés no chão ou nas manobras estacionárias como puxar a moto para trás montado nela.

Nos freios, disco simples de 280 mm de diâmetro na dianteira e disco de 153 mm na traseira, com acionamento duro e eficiente para a proposta de passeios. Com 190 quilos de peso total, o chassi tubular tipo diamante com o motor parte da estrutura dá rigidez mas produz mudanças lentas de direção como costumam se comportar as custom.

História

A Royal Enfield foi fundada em 1893, em Redditch, na Inglaterra, como fábrica de pequenas armas e logo depois adaptada para produção de motocicletas em 1901. Desde 1960 a produção é totalmente indiana comandada pela Madras Motors, hoje controlada pelo grupo Eicher, também sediado em Chennai (antiga Madras).

Ficha Técnica Classic 500

Motor

Tipo: Monocilindro, 4 Tempos, resfriado a ar
Cilindrada: 499cc
Diâmetro x Curso: 84mm x 90mm
Índice de Compressão: 8.5:1
Potência máxima: 27.2 cv a 5.250 rpm
Torque máximo: 4,2 kfg.m a 4.000 rpm
Sistema de Ignição: Ignição Eletrônica Digital
Embreagem: Úmida, multiplacas
Câmbio: 5 marchas
Lubrificação: Cárter úmido
Abastecimento de Combustível: Injeção Eletrônica de Combustível
Filtro de Ar: Elemento Filtrante de Combustível
Partida: Elétrica e Pedal

Chassis e suspensão

Tipo: Quadro com estrutura única com motor como parte do suporte
Suspensão dianteira: Telescópico, garfo de 35mm, curso de 130mm
Suspensão traseira: Amortecedores a gás duplos com 5 ajustes pré definidos de carga, curso de 80mm

Dimensões

Distância entre eixos: 1.360mm
Altura em relação ao solo: 135mm
Comprimento: 2.140mm
Largura: 790mm
Altura: 1.080mm (sem espelhos)
Altura do assento: 800mm
Peso: 190 Kg (com 90% combustível e lubrificante)
Capacidade do Tanque: 13.5l

Freios e pneus

Pneu Dianteiro: 90/90 – 19
Pneu Traseiro: 110/80 – 18
Freio dianteiro: Disco único de 280mm, com pinça de 2 pistões
Freio traseiro: Tambor de 153mm

Elétricos

Sistema Elétrico: 12 volt – CD
Bateria: 12 volt, 14 Ah
Farol: 60 W/55 W halógena
Lanterna traseira: 21 W/5 W

-Informações e imagens: MotoMovimento-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *