Vendas de motos caem 15,04%

São Paulo (SP) – As vendas de motocicletas, entre janeiro a dezembro de 2020, registraram 915.502 unidades, volume 15,04% menor que as 1.077.537 vendidas no mesmo período de 2019. O levantamento do comportamento do mercado na Pandemia é da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) com base no Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam). Em dezembro, o emplacamento registrou alta de 10,5%, totalizando 98.831 unidades, contra as 89.438 emplacadas em novembro de 2020. Se comparado a dezembro de 2019, quando foram emplacadas 94.103 motocicletas, esse resultado aponta aumento de 5,02%.

“Assim como os demais segmentos, as motos sofreram com a queda na produção local e na importação de peças e componentes, em função da pandemia. No entanto, ao contrário de outros anos, notamos que houve boa oferta e aprovação de crédito, com taxas de juros razoáveis, o que favoreceu e continua estimulando o aumento de demanda, gerada pela utilização de motocicletas como transporte individual e para serviços de entrega”, diz Alarico Assumpção Júnior, presidente da Federação. Ele lembra que entre os meses de abril e maio as fábricas de motocicletas foram fechadas e paralisaram sua produção, o que impactou no resultado do ano. “Não fosse isso, teríamos alcançado a projeção de superar 1.100.000 unidades em 2020”, afirma Assumpção Júnior.

Carros

As vendas de automóveis e comerciais leves cresceram 8,66% em dezembro, totalizando 232.814 unidades licenciadas, contra as 214.260 unidades emplacadas, em novembro. Já com relação a dezembro de 2019, quando foram comercializadas 251.775 unidades, houve queda de 7,53%. No acumulado de 2020, foram emplacadas 1.950.889 unidades, contra 2.658.692, no ano anterior, uma queda de 26,62%.

“Apesar de o último trimestre ter sido positivo e ter demonstrado uma forte reação dos segmentos, essa recuperação não foi suficiente para superar os resultados do último trimestre de 2019. Isso se deve, entre outros fatores, à falta de disponibilidade de automóveis e comerciais leves no mercado, causada pelo reflexo da pandemia, que retraiu a produção na indústria. Vale ressaltar que a oferta de crédito para os segmentos continua abundante e a demanda permanece aquecida”, diz o Presidente da Fenabrave.

2021

Apesar do momento de alta volatilidade, mas com a expectativa de crescimento do PIB, inicialmente, estimado em 3,5%, e com a esperada retomada da economia,a Fenabrave espera um retorno do crescimento das vendas de veículos para 2021, e projeta alta de 16,6% para o setor, em geral, sobre os resultados obtidos em 2020. “Esperamos poder recuperar, aos poucos, o mercado, mas ainda há incertezas e fatos que podem repercutir nas nossas projeções”, observa Assumpção Júnior.

-Informações e imagens: divulgação-

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *